Não considero que sou uma pessoa propriamente esquisita no que diz respeito a séries. Na verdade, vejo de tudo um pouco e tento sempre dar uma oportunidade justa a todas as séries que começo. Aliás, se segues algumas das minhas crónicas aqui já reparaste que escrevi um pouco sobre tipos de séries diferentes, sejam elas espanholas, francesas, portuguesas ou simplesmente de comédia.

Hoje, volto a uma temática concreta e venho falar-vos de séries históricas. Desde que comecei a escola que me deixei fascinar pela disciplina de História. Seja em qualquer período, mas especialmente História mais recente e aqui falo das Guerras Mundiais. Contudo, gosto de qualquer época, de uma maneira ou de outra.

Assim, trago-te algumas séries que estão situadas num período histórico concreto. Com alguma ficção à mistura, não estivéssemos nós a falar de televisão, são recomendações diferentes umas das outras e que se passam em períodos históricos afastados. Seja a lenda dos famosos Vikings e que não aparece aqui em primeiro por acaso (podemos ter preferidos, não?), espias espanholas ou o reinado mais longo da História, são séries que valem todas a pena.

Se és um fã de História e de uma boa história também, de certeza que vais gostar daquilo que trago aqui hoje.

Vikings

É uma das mais conhecidas do mundo seriólico e conquistou o mundo, incluindo Portugal. Não fosse o caso de já ter passado pelos canais TVCine, AMC, pelo NOS Play e, mais recentemente, ter chegado à Netflix. Inspirada nas explorações, invasões e épicas batalhas deste povo nórdico, Vikings centra-se na história de Ragnar Lothbrok e da sua família. A série é baseada num período histórico muito distante e sobre o qual existe pouca informação, portanto é normal que muita da trama seja ficção e não propriamente a realidade. Porém, as personagens são baseadas em pessoas que realmente existiram e marcaram este período. Vikings consegue agarrar-nos por completo logo na 1.ª temporada (algo que muitas outras não conseguem) e vai evoluindo em termos de qualidade ao longo das temporadas. Não é confusa e não precisas propriamente de ir pesquisar o que se passou e quem é quem, ao contrário de algumas séries deste género. Embora desde um certo acontecimento (que os fãs da série sabem qual é, mas de que não vou falar aqui para não dar spoilers) tenha perdido alguma qualidade, conseguiu ainda assim manter muitos dos espetadores agarrados à história e não é qualquer série que o consegue fazer. Deixo também, no entanto, um reparo. As últimas duas temporadas têm sido compostas por 20 episódios, divididos em duas doses de dez episódios, o que acho muito para o tipo de série que é. Ainda assim vale a pena e, se sempre quiseste perceber quem são estas figuras tão míticas, vais gostar de certeza.

 

El Tiempo Entre Costuras:

O meu amor por séries espanholas é conhecido e se já viste a crónica de séries espanholas de certeza que sabes isso. Contudo, nunca falei desta. E porquê? Por um lado acho que é um dos “meus” tesouros seriólicos e que quis resguardar, por outro, nunca surgiu uma crónica mais apropriada para falar de El Tiempo Entre Costuras – ou O Tempo Entre Costuras, em português – do que esta. Com Espanha à beira da Guerra Civil, a série acompanha a história de uma costureira madrilena que segue o amante até Marrocos, perde uma fortuna e torna-se espia dos aliados. Basicamente é isso. A história começa na Guerra Civil Espanhola e acompanha a vida de Sira Quiroga ao longo do tempo. O que torna esta série algo que merece ser visto não é propriamente a produção (ainda que seja relativamente boa), mas sim a interpretação dos atores. As quatro personagens principais são baseadas em pessoas reais e a história foi construída através de relatos e livros biográficos. El Tiempo Entre Costuras tem apenas uma temporada (e não faz sentido haver mais) com 17 episódios e é por isso que gosto tanto. Sabia desde o início quantos episódios havia e que a série tinha início, meio e fim. Algo que não acontece propriamente com muitas séries onde a incerteza sobre o seu futuro é uma dura realidade.

 

Reign

É, talvez, a série com menos qualidade, mas que não deixa de ser interessante. Reign conta a história verdadeira de Mary, a Rainha da Escócia, quando chega à corte francesa para casar com o príncipe Francis. A produção não é grande coisa e às vezes pode ser um pouco cliché, mas na verdade os relatos da época realmente são isso mesmo. Ainda assim, Reign vale a pena. E porquê? É o tipo de série reconfortante que sabe bem ter à espera para ver em casa e desfrutar. Os episódios são leves e interessantes. Drama, intriga e traição são uma constante aqui e por vezes já não sabemos quem traiu quem e isso parece-me uma mais-valia neste caso. Além disso, é provavelmente a série com mais verdade histórica aqui, visto que muito do que se passa nos episódios é baseado em relatos da época (com algumas exceções, claro). Se gostas de intriga e algum romance à mistura, esta série passada num dos períodos mais ricos da História é uma escolha bastante acertada.

 

The Crown

Foi um dos primeiros originais Netflix que vi e continua no meu top 10 da plataforma de streaming (parece-me um bom tema para outra crónica também). The Crown dá-nos um vislumbre dos bastidores da família real mais falada do mundo, assim como dos políticos que mais se destacaram na segunda metade do século XX na Inglaterra. As duas primeiras temporadas têm um elenco de luxo e que conquistou vários prémios e é fácil perceber o porquê. Embora alguns episódios possam parecer um pouco compridos e com pouca ação, acho que o enredo é dos melhores que alguma vez já vi em séries. A reconstituição histórica é algo muito complicado de se fazer, especialmente se tivermos em conta que muitas das personagens aqui retratadas ainda se encontram vivas. Com a promessa de acompanhar grande parte do reinado de Isabel II, a série trocou de elenco na 3.ª temporada e, ao contrário de muitas opiniões que vi, aumentou de qualidade. Infelizmente, já se sabe que não vai para além da 5.ª temporada. É pena, pois gostava mesmo de a acompanhar até aos dias de hoje e acho que a situação do princípe Harry e Meghan Markle dava um bom tema para uma 10.ª temporada. Quem sabe um dia não fazem um reboot da série!

Estas são apenas quatro de uma lista que podia ser muito maior. E tu? Que séries históricas é que recomendas?

Diogo Alvo