Classificação

6
Interpretação
4
Argumento
5.5
Realização
7
Banda Sonora

Vem aí And Just Like That…, um revival de Sex and the City, e com a minha subscrição na HBO Portugal a acabar, achei que era giro recordar a série original (neste caso, apenas o episódio piloto). Sex and the City nunca foi uma das minhas séries preferidas e nunca a segui com regularidade, mas já vi imensas reposições de episódios na televisão e dava bem para entreter. Quando estreou, eu era apenas uma criança e quando acabou, estava ainda no início da adolescência. Agora pertenço à mesma faixa etária das personagens, mas continuo a não me identificar minimamente com elas.

Sex and the City foi uma série revolucionária em muitos aspetos, mas já nos meus anos de adolescente achava que ficava muito aquém daquilo que era suposto prometer. OK, temos mulheres independentes a viverem as suas vidas numa cidade gigante como Nova Iorque, mas rever este episódio piloto deu-me uma sensação que já tinha tido muitas outras vezes: que se trata de uma série sem ‘sumo’. É possível uma série ser leve e ainda assim proporcionar ao espectador alguma coisa (seja ela divertimento, um escape), mas aqui não senti nada disso. Apesar de se centrar num grupo de quatro amigas, não conseguiram estabelecer qualquer espécie de ligação entre elas. Pouco interagiram como grupo e tivemos a atenção dispersa por vários outros personagens. A série é uma mistura de drama e comédia e não achei que tivesse sido bem-sucedida em nenhuma dessas vertentes. O argumento é absolutamente desinteressante e aquela particularidade de Carrie quebrar a fourth wall e falar com o espectador – que já vi resultar tão bem noutras séries – parece desajustada e não acho que tenha ajudado a criar nenhum laço com quem está com este lado.

São cerca de 25 minutos de episódio, mas confesso que estava a acusar o cansaço bem antes de o episódio terminar. Nesse aspeto, não corresponde às minhas anteriores experiências com a série, mas em muitas outras coisas confirma as minhas antigas opiniões. Não fiquei com vontade nenhuma de ver mais. O revival também está fora de questão, se bem que acho que tem potencial para ser mais interessante. No entanto, não tenho grande paciência para regressos de séries, ainda para mais porque Sex and the City não teve uma jornada propriamente curta, com as suas seis temporadas e dois filmes. Não sei se esta é uma série que não envelheceu muito bem ou se simplesmente não é bem a minha praia, mas desiludiu. Bastante!

Diana Sampaio