Não é apenas na Fall Season que existem boas séries. Após as férias do Natal, chegámos à mid-Season: o período que separa a época do outono e do verão, no mundo das séries. A televisão e os serviços de streaming já nos têm habituado a grandes apostas durante todo o ano, por isso aqui tens as que não vamos perder nesta mid-Season de 2020.

Messiah – Estreia a 1 de janeiro

Sinopse: A série é um thriller político que explora a religião e a fé, narrando a reação do mundo a um homem que afirma ser o Messias. A história conta as consequências dessa revelação e desenrola-se a partir de múltiplos pontos de vista, em vários locais do globo.

Porque queremos ver: Apesar da sinopse não ser muito chamativa, o trailer oferece uma visão bastante apelativa da série, em especial para os amantes de ação e mistério, sendo protagonizada por Michelle Monaghan (The Path) e Mehdi Dehbi (Tyrant). Acreditando ou não, é bem provável que existam religiões e crenças desde o nascimento do ser humano e acaba por ser um tema interessante, mesmo do ponto de vista científico. Para além de ser sempre um tema que induz bastantes discussões. O que leva alguém a acreditar em algo que nunca viu? O que seria se se provasse na realidade que existe um Deus? Messiah até pode não dar respostas a nenhuma destas perguntas, mas tem a promessa de oferecer entretenimento, bem como diversidade cultural.

Dracula – Estreia a 1 de janeiro

Sinopse: Inspirada no livro clássico de Bram Stroker, a minissérie decorre na Transilvânia, em 1897, e centra-se no Conde Drácula, quando inicia os seus planos para atacar a Londres vitoriana.

Porque queremos ver: Dos mesmos criadores de Sherlock e protagonizada por Claes Bang (The Affair), Dracula é fruto de uma parceria entre a BBC One e a Netflix que entrega uma adaptação fiel ao livro de Bram Stroker. Para além disso foi anunciada como minissérie de apenas três episódios de puro terror que dará pesadelos a qualquer um, não esquecendo o toque de humor negro característico do protagonista. Apesar de não ser uma história original, acreditamos que é uma boa aposta britânica, que deverá apresentar o fantástico nível de cinematografia de Sherlock e encantará os fãs deste género.

AJ and the Queen – Estreia a 10 de janeiro

Sinopse: A série é uma comédia centrada em Ruby Red, uma drag queen que anda de bar em bar numa caravana com AJ, uma criança órfã de nove anos. Este par improvável vai tocar o coração daqueles com quem se cruzam, passando uma imagem de amor e aceitação.

Porque queremos ver: Para começar, AJ and the Queen promete fugir completamente à norma daquilo que são a maioria das comédias. Depois, com um trailer verdadeiramente engraçado, faz prever uns bons momentos de gargalhadas com um elenco que parece bastante carismático. Apesar de a comédia parecer ser o elemento principal, estamos certas de que a relação entre as personagens principais também proporcionará uns quantos momentos ternurentos, com o extra de ser o tipo de série que nos ajuda a despir preconceitos.

Little America – Estreia a 17 de janeiro

Sinopse: A série é uma antologia de comédia baseada em histórias reais de imigrantes, que chegaram aos Estados Unidos da América, publicadas na revista Epic Magazine. As histórias retratam os detalhes mais engraçados, românticos, inspiradores e surpreendentes acerca das vidas deles.

Porque queremos ver: A nível criativo, é uma mais-valia que a série tenha os mesmos criadores do filme The Big Sick, Kumail Nanjiani e Emily V. Gordon, e os coshowrunners Lee Eisenberg (The Office) e Sian Heder (Orange Is the New Black). Cada episódio de 30 minutos apresenta uma pequena, mas profunda história, baseada em experiências reais de imigrantes nos Estados Unidos da América, um tema pesado e atual que por norma é acompanhado por histórias tristes e deprimentes, mas aqui veremos um lado mais positivo da imigração e espera-se que haja finais felizes. Por fim, a Apple TV+ já provou ter ótimas apostas em séries, por isso só nos resta acreditar que esta será mais uma delas.

Hunters – Estreia a 21 de fevereiro

Sinopse: A série acompanha um grupo de caçadores de nazis em Nova Iorque, no ano de 1977, responsáveis pela descoberta de centenas de oficiais de alta patente a viver entre os cidadãos comuns e a conspirar para criar um Quarto Reich nos Estados Unidos da América.

Porque queremos ver: Esta série passa-se três décadas depois do fim da Segunda Guerra Mundial, numa altura em que muitos sobreviventes das atrocidades nazis ainda estavam vivos e em que muitos dos perpetrados da barbárie tinham conseguido escapar à justiça. Agora em 2020, quase todas as vítimas e criminosos de guerra estão mortos, já quase não resta ninguém de viva voz para contar o que aconteceu e o mundo não pode deixar que o passado caia no esquecimento, principalmente quando o extremismo está em força por todo o mundo. Será interessante ver como é que estes homens que fizeram coisas horríveis durante a guerra conseguiram construir uma vida normal noutro local do mundo e o esforço daqueles que foram perseguidos para obter alguma justiça. E vingança, ao que parece. O trailer promete, o elenco é encabeçado por Al Pacino, que dispensa apresentações, e a quem se junta o extraordinário Logan Lerman de The Perks of Being a Wallflower, entre outros nomes bem conhecidos do público. Jordan Peele (Get Out) é um dos produtores executivos desta série que promete muita ação embrulhada num tema forte.

Devs – Estreia a 5 de março

Sinopse: O thriller tecnológico centra-se em Lily Chan, uma engenheira informática que decide investigar uma divisão secreta da empresa onde trabalha, por desconfiar que é responsável pelo assassinato do seu namorado.

Porque queremos ver: Alex Garland, responsável pelos filmes de ficção científica Ex Machina e Annihilation, estreia-se nas séries como criador, realizador, argumentista e produtor, ao encargo dos estúdios do FX e com emissão na Hulu (dentro do novo contrato da Disney, FX on Hulu). Protagonizada por Sonoya Mizuno, Devs explora os conceitos da computação quântica e da inteligência artificial, ao mesmo tempo que conta uma história de mistério e conspiração, que por certo irá agradar aos fãs deste género, em especial depois de Mr. Robot ter terminado há tão pouco tempo.

Little Fires Everywhere – Estreia a 18 de março

Sinopse: Baseada no livro de Celeste Ng, a série segue os destinos interligados entre a aparentemente perfeita família Richardson com uma mãe enigmática que, juntamente com a filha, lhes altera a vida por completo.

Porque queremos ver: Apesar de as imagens sobre a série ainda serem poucas, são o suficiente para abrir o apetite. Little Fires Everywhere promete juntar um certo mistério a uma componente dramática e tem por base um livro que conquistou os leitores. É assim de prever uma história que vai também agarrar ao ecrã, com Kerry Washington e Reese Witherspoon como protagonistas e produtoras.

Motherland: Fort Salem – Estreia a 18 de março

Sinopse: A série passa-se numa realidade alternativa onde as bruxas acabaram com a sua perseguição há 300 anos atrás, ao fazerem um acordo com o governo norte-americano para lutar pelo país. A história segue jovens mulheres recrutadas aos 18 anos que recebem treino em magia de combate na base militar de Fort Salem.

Porque queremos ver: O canal Freeform já nos habituou a personagens femininas fortes nas suas séries, bem como a retratar na perfeição o feminismo, como é o exemplo de The Bold Type. Da mente do criador de Claws, Eliot Lawrence, a série mistura drama militar com fantasia, o que só por si é um conceito original. Adicionalmente, vai ser interessante ver um mundo dominado por mulheres, onde são elas que mantêm posições de poder no governo e que defendem o país contra as mais variadas ameaças.

Snowpiercer – Estreia a 17 de maio

Sinopse: A série decorre num futuro próximo onde o mundo se tornou inabitável devido às baixas temperaturas e o que resta da humanidade vive a bordo de um comboio gigante em constante movimento.

Porque queremos ver: De um dos criadores de Orphan Black, Graeme Manson, esta série apresenta uma premissa original – original no sentido em que se distancia em muito do que se vê por aí – acerca de uma nova Idade do Gelo. Quem já viu o filme ou leu a banda desenhada que inspirou as duas adaptações sabe que pode esperar a exploração de temas relevantes como a injustiça social e o sistema de classes, enquanto a luta pela sobrevivência persiste. O TNT deu um grande voto de confiança à série com a renovação para 2.ª temporada ainda antes da estreia e está garantida muita ação, bem como vários elementos que agradam a fãs de ficção científica. Este apocalipse não surge sob a forma de zombies, mas sim devido a condições climatéricas extremas, o que faz pensar que poderá mostrar algum paralelismo com a situação do nosso mundo.

NOTA: a série The Good Lord Bird, que se encontrava neste artigo devido à data de estreia estar programada inicialmente para fevereiro de 2020, foi transferida para a crónica Séries de Verão 2020 a Não Perder.

Ana Velosa e Diana Sampaio