Classificação

9
Interpretação
7.5
Argumento
8.5
Realização
9
Banda Sonora

[Contém spoilers]

Depois de um quarto episódio mais parado, The Walking Dead volta à carga com dois capítulos cheios de ação, suspense, muita emoção e algumas questões. On the Inside prova que a série de zombies mais conhecida do planeta continua a ter cartas para dar ao oferecer aos fãs e espectadores 40 minutos ao estilo dos filmes clássicos de horror/terror/slasher. Também Out of the Ashes colocou este início de temporada novamente em alta, ao proporcionar cenas intensas entre o duo Negan/Maggie.

O quinto episódio desta última temporada da série trouxe alguns desejados avanços no que à Commonwealth diz respeito, mas a verdade é que continuamos sem saber muito bem de que forma a história vai avançar. Será que ambos os grupos vão entrar em confronto? Se sim, que hipóteses tem Alexandria de ganhar? Nenhumas, certamente. Contudo, não nos esqueçamos que as nossas personagens vão certamente lutar contra os recém-chegados Reapers e ainda que estes tenham poucos membros, a verdade é que Alexandria está aos caídos. Não seria difícil derrotá-los, mesmo só com duas dezenas de lunáticos. Portanto, as hipóteses de a Commonwealth chegar a Alexandria com pompa e circunstância e ajudar o grupo a derrotar os Reapers são elevadas, diria.

Commonwealth, bolos e advogados à parte, parece que os Whisperers entraram novamente em cena. Não totalmente, claro, mas faz sentido que estas menções sejam feitas, porque seria irrealista achar que um grupo composto por tanta gente desaparecia por completo só porque já não dá muito jeito à narrativa (como aconteceu com tantos outros antes). Sejamos sinceros: por mais louca que Alpha fosse, a verdade é que a utilização das peles dos zombies é uma ideia genial para circular entre as hordas. Faz todo o sentido que as personagens continuem a utilizar a técnica e é sempre arrepiante pensar que estes inimigos continuam presentes de certa forma. Tão arrepiante para os espectadores como para Aaron, aparentemente. O sonho inicial da personagem trouxe à memória antigas ameaças, como os Wolves (da 5.ª temporada), e deixou bem presente a ideia anterior: alguns desses antigos inimigos ainda podem andar por aí. Foi muito bom voltar a ver Aaron com algum destaque. Já o referi antes e infelizmente a personagem foi decaindo na hierarquia da relevância, mas espera-se que, nestes últimos episódios, Aaron volte a ter o destaque que merece.

Já o sexto episódio de The Walking Dead, On the Inside, foi, possivelmente, dos melhores de sempre da série. Não só pelo género “novo” que apresentou, mas por toda a construção e atuação. Lauren Ridloff, que dá vida a Connie, teve uma interpretação incrível neste pedaço de filme de terror. Foi impossível não ficar com palpitações ao ver o pânico que a personagem sentia dentro daquela casa. A par da interpretação esteve a realização que, com a escolha musical, selou este episódio como um dos cinco melhores da série. Quem não sentiu o coração a palpitar cada vez que o som se silenciava para que pudéssemos compreender melhor a perspetiva de Connie? Foi um toque genial de edição que elevou ainda mais On the Inside.

Estes episódios deixam em aberto o futuro de Alexandria e de alguns membros em particular. Daryl está neste momento metido na toca do lobo, mas é claro que o reencontro com Connie acontecerá. Resta saber se esta irá sobreviver ou não e que decisões Daryl terá de tomar em relação a Leah. Negan e Maggie parecem encontrar cada vez mais pontos em comum, ainda que o futuro do ex-vilão continue a ser uma incógnita. Eugene e companhia estão metidos em sarilhos, embora os acontecimentos na Commonwealth tenham sido interessantes até agora e sejam decisivos para os restantes episódios.

Não há que temer. A última temporada de The Walking Dead continua consistente, especialmente depois de On the Inside, um capítulo que trouxe uma lufada de ar fresco à série com uma abordagem diferente do normal na série. Faltam dois episódios para completar o primeiro pack e tudo está em aberto. O que se seguirá?

Beatriz Caetano