The Cleaning Lady – 01×01 – TNT
| 05 Jan, 2022

[Pode conter spoilers]

A nova aposta da FOX chama-se The Cleaning Lady e o episódio piloto está no meio termo: não é nada mau, mas fica aquém daquilo que podia ser. No centro da trama desta série, que é baseada num original argentino, temos Thony De La Rosa, uma médica cambojana que se encontra a viver nos Estados Unidos com o filho, Luca, um menino que precisa de tratamento para uma doença rara. Thony mora com a cunhada, que tem dois filhos, e as duas mulheres trabalham juntas como empregadas de limpeza.

A parte mais interessante da série prende-se, sem dúvida, com o lado humano. Thony é uma profissional médica qualificada, mas está ilegalmente nos Estados Unidos e por isso tem que se sujeitar a trabalhos que a maioria das pessoas não gostaria nada de fazer. Há nisto algo de verdadeiramente dramático, ainda para mais se nos tentarmos colocar na pele da personagem, que tem um menino doente a seu cargo e se depara com as burocracias habituais para conseguir tratá-lo. Nem quero imaginar o nível de angústia. A própria doença do menino é interessante e também acho que devia ser merecedora de mais tempo de ecrã. Depois temos a relação de Thony com a cunhada, Fiona. Além de serem família e de trabalharem juntas, são muito próximas e têm uma boa dinâmica, mas Fiona parece ter uma tendência para tomar decisões questionáveis. Não há dúvida de que temos em Élodie Yung uma protagonista carismática e por quem é fácil torcer, mas a partir do momento em que a série coloca Thony a trabalhar para a máfia, a coisa deixa de resultar tão bem.

Uma médica a trabalhar para a máfia faz lembrar The Mob Doctor, série de que gostei, mas aqui acabei por não ficar muito convencida. É claro que Thony não tinha alternativa e já está a conseguir beneficiar disso, mas… Estou com receio de que a série se transforme em mais um procedural, com a nossa personagem principal a ter que limpar uma cena do crime diferente a cada semana.

Se a série optar por se focar nas dificuldades de Thony em sobreviver ao mesmo tempo que é ‘invisível’ num país que não é o dela, acho que poderá distanciar-se um pouco de outras coisas que já foram feitas e conquistar o seu lugar.  Se a série optar por se centrar muito na parte da limpeza de cenas de crime e nas atividades da máfia, acabará por ser mais do mesmo.

Confesso que estava à espera de mais, mas também não posso dizer que não gostei. Vejo potencial, mas precisa de ser bem explorado.

Diana Sampaio

Publicidade

Populares

All of us are dead

calendário estreias

the midnight club poster

Recomendamos