Continuamos a trazer curiosidades sobre as tuas séries favoritas! Descobre algumas sobre uma das séries mais bem sucedidas dos anos 80, Cheers:

1. Cheers é a única sitcom da história da televisão a ficar tanto em primeiro como em último lugar em termos de rating. Na noite em que estreou, a série ficou no 77.º lugar e na nona temporada, a penúltima da série, ficou em primeiro. Inclusive, a NBC esteve prestes a cancelar a série durante a 1.ª temporada, mas Brandon Tartikoff, o então presidente do canal, declarou publicamente a sua vontade na continuação de Cheers e a série acabou por sobreviver a este mau começo.

2. Inicialmente, a série iria passar-se num hotel, mas quando foi constatado que a maioria das cenas iriam ser passadas no bar, foi deixada de lado a parte do hotel. Também estava previsto, primeiramente, que a série se passasse em Barstow, na Califórnia, ao invés de Boston. Desde o início, os argumentistas e produtores de Cheers decidiram que nunca ninguém iria sair do bar embriagado e depois conduzir até casa. Assim, a série tornou-se reconhecida e elogiada por grupos ligados à consciencialização para a não condução sobre o efeito de álcool e ajudou na promoção de programas de designated driver (condutor designado), em que, num grupo, durante uma saída, se escolhe uma pessoa para se manter sóbria e levar os outros a casa.

3. Fred Dryer (Hunter) e William Devane (24) estiveram entre os finalistas para interpretar o personagem principal, Sam Malone, antes de Ted Danson ter sido escolhido. Apesar de Sam ser um antigo jogador de basebol, o personagem tinha sido concebido como um antigo jogador de futebol americano e quando Danson foi selecionado para o papel foi feita esta troca de desporto porque o basebol parecia mais adequado ao corpo magro do ator. Curiosamente, Dryer tinha jogado na NFL, a Liga Profissional de Futebol Americano dos Estados Unidos, durante mais de dez anos. Ed O’Neill (Modern Family), que também jogou futebol americano a nível universitário, foi outro ator a fazer audições para o papel de Sam, mas não chegou à fase final de casting.

4. Esta escolha de protagonista não foi, no entanto, baseada apenas no ator, mas na química entre os pares em questão: Fred Dryer e Julia Duffy (Newhart), William Devane e Lisa Eichhorn (Offensive) e, finalmente, Ted Danson e Shelley Long. Os dois últimos foram considerados como tendo a melhor química. Uma cara bem conhecida que fez audições para o papel de Diane Chambers foi Wendie Malick (Hot in Cleveland).

5. Cliff Clavin, um dos mais fiéis clientes do bar, interpretado por John Ratzenberger, não fazia parte do guião original. O personagem foi criado propositadamente depois de os produtores terem ficado impressionados com o ator, que tinha feito audições para o papel de Norm Peterson, mas não foi considerado a pessoa ideal para dar vida ao personagem. Assim, ele questionou os produtores se não tinham um espertalhão com a mania que sabe tudo no bar e, voilà, assim nasceu Cliff. No entanto, quando Ratzenberger foi contratado, estava previsto entrar em apenas sete episódios, mas acabou por integrar o elenco principal durante a maioria da série, perfazendo 270 episódios no total. Quando o personagem foi pensado, era suposto ser um polícia, mas os produtores acabaram por chegar à conclusão que sendo um carteiro ele teria mais acesso a todo o tipo de informações.

6. O papel de Carla Tortelli, que ficou para Rhea Perlman, tinha sido oferecido à cantora e compositora americana Janis Ian, que alcançou a fama nos anos 60 e 70. Ian recusou porque não queria abandonar a sua carreira na música.

7. Casey Stengel, Sparky Anderson e Yogi Berra, todos jogadores profissionais de basebol, serviram de inspiração e base para o personagem Ernie ‘Coach’ Pantusso. Antes de Nicholas Colasanto ter sido escolhido, Robert Prosky (Hill Street Blues) foi considerado para o papel. Prosky viria mais tarde a fazer uma pequena participação na série no papel do pai de Rebecca Howe.

8. Quando se deu a necessidade de criar um novo personagem para substituir o Coach, depois da morte de Nicholas Colasanto, os produtores decidiram que o personagem novo não devia ser uma réplica, mas trazer algo de diferente à série. Com o sucesso que Family Ties (Quem Sai aos Seus) e Michael J. Fox alcançaram, os produtores de Cheers acharam que um personagem jovem seria uma boa ideia e foi a partir daí que desenvolveram Woody. Quanto à morte de Colasanto, primeiro a ideia era explicar a ausência do Coach com o facto de ele ter mudado de cidade, mas depois concluíram que ele era demasiado leal aos seus amigos para desaparecer assim e optaram por escrever que o personagem tinha morrido.

9. Acabou por ser Woody Harrelson a ficar com o papel de Woody Boyd, mas o ator nunca tinha visto a série e na altura não tinha interesse em fazer televisão. No entanto, por sugestão de um amigo, foi fazer audições para Cheers. Outros nomes como Ritch Shydner, que trabalhou sobretudo como argumentista, e Timothy Treadwell foram candidatos ao papel.

10. Quando Shelley Long (Diane Chambers) e Rhea Perlman (Carla Tortelli) engravidaram na vida real, houve decisões a tomar na série. A gravidez de Perlman foi incorporada no guião, mas a de Long não. Assim sendo, Diane passou a ser vista sobretudo atrás do balcão ou as filmagens eram feitas do pescoço para cima.

11. Lucille Ball, que foi a protagonista de uma comédia familiar dos anos 50 chamada I Love Lucy, era uma fã de Cheers e os produtores da série encontraram-se com ela para falar acerca da possibilidade de interpretar a mãe de Diane. No entanto, Ball acabou por recusar, pois achava que os espectadores teriam dificuldade em vê-la numa personagem que fosse diferente de Lucy.

12. John Lithgow (3rd Rock From the Sun) para a primeira escolha para dar vida a Frasier Crane, mas o ator recusou o papel porque queria dedicar-se à sua carreira no cinema. Inicialmente era suposto que Frasier fosse apenas um personagem temporário, tanto que Kelsey Grammer só foi contratado para sete episódios, mas de recorrente nas 3.ª e 4.ª temporadas passou ao elenco principal na quinta e aí se manteve até ao final da série. Lilith Sternin, a personagem de Bebe Neuwirth, era suposto ter tido uma participação ainda menor, de apenas um episódio, mas a partir da 4.ª temporada até à última a sua presença foi constante, tendo aumentado a sua relevância ao longo do tempo. No entanto, Neuwirth deixou a série antes de esta ter terminado para se dedicar ao teatro, tendo rumado aos palcos da Broadway.

13. Foi filmado um final alternativo perante uma audiência ao vivo para o último episódio de Shelley Long, para esconder do público que a atriz ia deixar a série. Nesse final, Sam e Diane foram em frente com a cerimónia e casaram-se. No entanto, no episódio que acabou por ir para o ar, o casal não deu o nó.

14. Apesar das preocupações iniciais em relação à saída de Shelley ao fim de cinco temporadas, esta acabou por ser uma forma de ajudar a série a rejuvenescer. Os argumentistas fizeram a série evoluir para se centrar mais no bar como um todo, o que permitia uma maior variedade de histórias, contrariamente ao que tinha sido feito até aí, visto que o enredo andava muito à volta da relação entre Sam e Diane. As coisas acabaram por correr bem, até porque Rebecca, que veio ‘substituir’ Diane, tornou-se mais popular junto de muitos espectadores e críticos e os próprios membros do elenco consideravam mais fácil trabalhar com Kirstie Alley do que com Shelley.

15. Kim Cattrall (Sex and the City), Marg Helgenberger (CSI: Crime Scene Investigation) e Sharon Stone (The New Pope) fizeram as três audições para Rebecca Howe. Quando Kirstie ficou com o papel, recusou-se a assinar um contrato típico porque a sua carreira no cinema encontrava-se em ascensão e queria ter a possibilidade de abraçar outros projetos. Assim sendo, o contrato assinado era de apenas um ano e quando foi feita a renovação do mesmo na temporada seguinte, Alley conseguiu negociar um grande aumento de salário.

16. Estava planeado um cliffhanger na 6.ª temporada em que Sam descobria que uma antiga namorada tinha o vírus da SIDA, o que o colocava em risco de ter também contraído a doença, mas o episódio acabou por nunca ser filmado, devido à greve dos argumentistas de 1988, a mais longa da História.

17. David Alan Grier (The Carmichael Show) fez audições para um personagem afro-americano que nunca chegou a ser incluído na série.

18. Foi Ted Danson quem decidiu deixar a série ao fim de onze temporadas. A NBC queria continuar Cheers com Woody a tomar conta do bar, mas Harrelson recusou-se a aceitar, porque achava que não fazia sentido prosseguirem sem Danson.

19. No entanto, apesar de a série ter terminado em 1993, no mesmo ano estreou um spin-off de Cheers, Frasier, protagonizado por Kelsey Grammer. Frasier centrava-se no personagem que já conhecíamos da série-mãe e mostrava-o de volta à terra natal, Seattle, depois de o seu casamento e, consequentemente a sua vida em Boston, ter terminado. Contudo, os seus planos de levar uma nova vida enquanto homem solteiro são virados do avesso quando se vê encarregado de tomar conta do pai, Martin, um polícia reformado com problemas de mobilidade devido a ter sido baleado em serviço.

20. Seis anos antes, outro spin-off de Cheers, The Tortellis, tinha estreado, mas a série foi cancelada ao fim de uma temporada. A série tinha como protagonistas Nick Tortelli, o ex-marido de Carla, e a sua nova esposa, Loretta.