Sabem aquelas séries que tinham vontade de ver, mas com as quais, apesar disso, nunca se resolveram a perder tempo porque tinham um monte de temporadas com mais de vinte episódios cada? Pois bem, uma de nós já tinha visto One Tree Hill há alguns anos e tentou convencer a outra a dar uma oportunidade à série. O confinamento e o tempo que tivemos de ficar em casa foram propícios a isso e agora que ambas vimos One Tree Hill do princípio ao fim, queremos recordar também contigo alguns dos momentos que ficaram na memória de tão memoráveis que foram. A maioria deles não são life changing e há um motivo para isso: esta é uma série feita de pequenos momentos que nos tocam de uma forma especial porque nos apaixonamos facilmente pela história e pelos seus personagens.

Peyton e Lucas conhecem-se melhor enquanto ele lhe reboca o carro (01×01) – Logo desde o primeiro episódio que Mark Schwahn nos prende ao ecrã com um dos casais mais icónicos das séries de televisão adolescentes. Lucas e Peyton estavam destinados a ficar juntos desde que este lhe rebocou o carro e nos apercebemos da química que existia entre os dois. Peyton era namorada do meio-irmão de Lucas, Nathan, e digamos que a relação entre os dois irmãos sempre foi atribulada, o que não impediu Lucas de lutar pelo coração de Peyton. Esta cena do primeiro episódio é memorável, pois aqui começa a história de amor entre Lucas e Peyton. Ela sempre com uma atitude de adolescente incompreendida, ele com o seu charme natural e brincalhão que não passam ao lado de Peyton. Tal como todas as histórias de amor, estes dois tiveram os seus altos e baixos, momentos felizes e infelizes, e podemos dizer com certeza que este foi um momento feliz porque ajudou a determinar o rumo da sua história.

Lucas e Nathan disputam um jogo no River Court (01×01) – Tal como referimos, a relação entre os dois irmãos sempre foi bastante complicada. Criado por Dan, pai de ambos, Nathan é a estrela de basquetebol do liceu de Tree Hill e sempre viveu bem, no seio de uma família com posses. Pelo contrário, Lucas foi criado de forma mais humilde pela mãe (abandonada por Dan) e pelo tio, irmão de Dan. Também Lucas tinha talento para o basquetebol e foi convidado a entrar na equipa da escola. Nathan sente-se ameaçado e desafia o irmão para um jogo one on one no River Court, um dos locais mais icónicos da série. Se Lucas perder terá de recusar o lugar na equipa, mas se ganhar, Nathan terá de ficar na equipa e assim jogarão juntos. Este momento fica marcado pela vitória de Lucas e pela grande derrota de Nathan, que até aqui escolhia ignorar a existência do irmão. Após este momento, deixou de ignorar a presença do irmão e passou para o ódio e a repulsa.

Nathan mostra a sua vulnerabilidade a Haley (01×09) – Nathan começou a série como um miúdo intratável. O facto de o pai dele ser um imbecil que age como tal perante todos, incluindo o filho, não desculpa tudo, mas ajuda-nos a perceber um pouco o porquê de Nathan ser como é. O pai é um jogador de basquetebol falhado e vê no filho a oportunidade de sucesso e carreira que ele nunca teve, sufocando-o e pressionando-o, preocupando-se pouco em apoiá-lo. Nathan sucumbe a essa pressão e decide recorrer ao uso de anfetaminas para melhorar o seu desempenho desportivo. No entanto, acaba por colapsar durante um jogo importante e é levado para o hospital. Isso deixa-o assustado e leva-o a reavaliar algumas prioridades. A forma como vai ter com Haley e lhe mostra a sua vulnerabilidade, dizendo que comete erros, mas que não quer continuar a fazê-lo, como assume que não está bem e lhe diz o quanto ela é importante para ele representa, só por si, uma grande mudança em Nathan. O sofrimento dele é tão palpável e a ligação que tem com Haley revela-se tão genuína! Isso torna este momento muito especial, sobretudo com a belíssima Fallen, de Sarah McLachlan, a tocar.

Lucas e Haley escolhem disfarces para o baile (03×04) – A amizade entre Lucas e Haley é uma das relações mais descomplicadas de One Tree Hill e aqui temos uma prova. Pessoalmente nós até gostamos do disfarce à Flinstone, mas Haley parece não aprovar. Aliás, Lucas experimenta uma infinidade de disfarces, mas a amiga não parece especialmente convencida com nenhum e nunca deixa de se divertir às custas dele. Bem, pelo menos até ao disfarce de Jack Sparrow, de Pirates of the Caribbean, que acaba por ser o escolhido. Os dois não param de brincar um com o outro, quase daquela forma como os irmãos o fazem, a implicar, mas sem se chatearem. A cena é divertida e mostra a cumplicidade que existe entre eles.

O ambiente torna-se pesado numa road trip com Brooke, Rachel, Peyton, Haley e Bevin (04×09) – Para nós, como espectadoras, esta cena começa de forma bem divertida, com Brooke, Rachel, Peyton, Haley e Bevin a partilharem o carro rumo a um jogo de basquetebol dos Ravens, mas não queríamos estar ali dentro enfiadas com elas. A tensão está no ar porque Brooke e Peyton estão chateadas, mas Rachel sai-se com um improvável “When I was in fat girl therapy” em relação ao qual não conseguimos deixar de nos rir (e Brooke pelos vistos também não). Então, para tentar aligeirar o ambiente, Rachel propõe que façam uma espécie de exercício que deveria ajudar, mas que tem o efeito inverso. A imitação que Haley faz de Rachel pode ter piada, mas é um bocado mazinha e a partir daí é o descalabro, com Brooke a cruzar um risco que ninguém deveria ultrapassar, nunca. O que vale é que Bevin, ao menos, não tem uma ponta de maldade (ou então não percebe o jogo)! Este momento é um dos muitos, ao longo de One Tree Hill, a mostrar-nos a dinâmica complicada entre Peyton e Brooke, uma das relações mais relevantes da série.

Nathan mostra a sua capacidade de dança a Mouth e Skills (04×12) – A 4.ª temporada foi, sem dúvida, uma das melhores desta série. O desenrolar das personagens, as storylines de cada uma delas, para além da banda sonora que, como sempre é excelente, contribuem para isso. Este episódio tem a particularidade de ter esta cena que, para nós, foi hilariante. Nathan é aquele rapaz giro, popular e atlético, mas que precisa de dinheiro, pois resolveu emancipar-se e sair de casa dos pais. Então, Skills tem a solução perfeita para o problema de Nate: ambos irão fazer striptease coreografado. No entanto, Nathan não tem jeito para a dança, mas quem melhor para o ensinar do que Mouth? E aqui fica um momento que só visto, pois contado não tem a mesma piada. Skills e Mouth são dois personagens que proporcionam à história momentos divertidos e muito necessários numa série teen. Este é sem dúvida um desses momentos!

Como a crónica já vai longa e ainda só falamos de menos de metade da série, deixamos a segunda parte para a próxima semana. Não percas!

Diana Sampaio e Margarida Rodrigues