Rompendo com os cânones tradicionalmente apresentados, Looking segue uma premissa muitos simples: acompanha o quotidiano de três amigos gays que residem em São Francisco. Recentemente, a HBO cancelou a série graças às suas baixas audiências. Ainda havia a esperança de renovação, dadas as excelentes críticas, mas o canal é soberano e optou por não seguir em frente com a série, prometendo um episódio especial de desenlace da história de Patrick.

Vamos aos sete motivos?

1 – A vida tal e qual como ela é

imagem 1

Comecei a ver a série para perceber o que poderia utilizar sobre ela numa crónica para o nosso refúgio. Assim que me propus a assistir a esta série, imediatamente fiquei com ideias preconcebidas: os homossexuais iriam ter tiques, linguagem em código… enfim, aquilo que estamos habituados a ver na tv quando a temática gay é apresentada. Mas desenganem-se! Looking corta com os estereótipos e apresenta a vida tal e qual como ela é, ou seja, apresenta as alegrias, as tristezas, as inseguranças e amizade de três homens.

2 – Poucos episódios e episódios pequenos

imagem 2

Se passam a vida a reclamar que não têm tempo para seguir uma série nova, não têm desculpa para não verem Looking. Com apenas duas temporadas, num total de dezoito episódios (tendo cada episódio vinte minutos), não perderão muito tempo. Aliás, assim que cada episódio terminar, irão imediatamente devorar o próximo porque a série é mesmo boa.

3 – O mundo gay

Imagem 3

Como já referi anteriormente, a série apresenta grande realismo, sendo que os personagens são seres humanos iguais a todos os outros. Se esperavam tiques, como a mãozinha no ombro, esqueçam! Sendo realista, Looking apresenta os homossexuais como eles realmente deveriam ser vistos pela nossa sociedade: pessoas como todas as outras. Por isso não se espantem se descobrirem que têm um conhecido, um amigo, um vizinho … ou um familiar que é gay.

4 – É uma série educativa

imagem 4

Dos quatro cantos do mundo surgiram críticas positivas acerca da série. E a maioria das crónicas é unânime: Looking, dada a sua simplicidade na apresentação das temáticas, pode ser considerada um produto educativo de qualidade. Sendo assim, poderemos tirar grandes lições, tais como, a realidade da homossexualidade, como conviver com HIV, a importância de não esconder a orientação sexual dos amigos e família, entre muitos outros aspetos.

5 – O elenco

images

À partida, poderíamos considerar que o elenco não é nada de extraordinário. No entanto, é surpreendente ver como estas atores, pouco conhecidos do grande público, nos conquistam. De uma forma geral gostei de todos, no entanto, tenho de confessar que não estava à espera que Jonathan Groff, Frankie J. Alvarez e Russell Tovey tivessem o desempenho que apresentaram.

6 – O amor

imagem 6

Contrariamente à ideia que predomina, os homossexuais também procuram o amor verdadeiro e Looking representa esta demanda na perfeição. Entre as loucuras, devaneios, coragem e insegurança, os personagens procuram aquela pessoa que os farão felizes. Tal como acontece com os heterossexuais, nem sempre se encontra o amor à primeira, nem à segunda… Foi interessante ver a evolução dos casais (e não vou dizer quais por causa dos spoilers), acreditem que a série é tão envolvente que se vão esquecer que estão a ver dois homens aos amassos!

7 – Referências constantes a Portugal

imagem 7

Dom, o mais velho dos três amigos, tem o sonho de abrir um restaurante onde o prato principal será frango, sim, frango português. Achei um piadão e fartei-me de pesquisar sobre receitas típicas de frango (aparentemente) frito e delicioso. Conheço uma receita de frango panado açoriano muito apetitoso, será esta? Bem, não interessa! O importante é que uma série americana de qualidade traçou elogios a algo português, sim… parece que Portugal está a ficar na moda nos States!

Como já referi anteriormente, a série foi cancelada e a produção prometeu o desenlace para a vida de Patrick. Espero que seja algo fantástico e que fuja do “viveram felizes para sempre”, pois isso iria estragar a magia a que a série nos habituou.

Rui André Pereira