Classificação

8.3
Interpretação
7.2
Argumento
7.3
Realização
7.1
Banda Sonora

[Contém vestígios de spoilers]

Para a HBO Europe e realizada por Isabel Coxiet, chega até nós a produção espanhola Foodie Love.

“Há muitos imbecis no mundo da gastronomia”.  Esta é a frase que fica no ouvido depois de ver os primeiros dois minutos do primeiro episódio da 1.ª temporada de Foodie Love. E posso dizer a todos os seriólicos: esta é uma série completamente diferente de tudo o que já vi e do que tem sido feito nos últimos tempos.

O enredo deste primeiro episódio acontece, como o nome indica, numa coffee house e mostra um encontro entre um rapaz (Guillermo Pfening) e uma rapariga (Laia Costa), amantes de gastronomia, que se conheceram por uma espécie de Tinder. Ao longo de todo o episódio é-nos mostrado o que um e outro estão a pensar, o que é extremamente interessante e ao mesmo tempo divertido.

Um dos pontos altos deste piloto é o facto de não ser chato, é um drama cómico que mostra apenas as duas personagens principais e mais duas ou três secundárias, mas que possivelmente nem voltarão a aparecer.

Pensei que esta fosse mais uma série romântica, com a particularidade da gastronomia, em que os personagens apenas apreciassem a boa cozinha e a boa comida, mas Foodie Love mostra ser muito mais do que isso_ é atual e complexa e cómica num estilo muito próprio para uma série de apenas meia hora.

A língua, que deixou de ser um entrave devido a séries como La Casa de Papel, Vis a Vis ou Las Chicas del Cable, mostra que Foodie Love é mais uma boa produção e muito bem conseguida por nuestros hermanos e mais uma prova do excelente trabalho que têm vindo a desenvolver nos últimos anos.

Algo me diz que esta produção da HBO Europe pode ter sucesso para todos os que se consideram uma mente aberta e que desejam material novo para este mundo das séries de televisão feito de reboots e super-heróis.

Foodie Love tem tudo para criar um novo conceito: inovador, diferente e irreverente, pois não é todos os dias que somos presenteados com o que os personagens, durante um diálogo, estão a pensar e não, não precisamos de ser nós a escolher o que vai acontecer a seguir para ser uma coisa diferenciadora de tudo o resto.

Agradeço à HBO Europe, através da HBO Portugal, por nos ter trazido este conteúdo de ótima qualidade, desde o genérico leve, animado e muito ao estilo social media até à banda sonora, sem necessitar de CGI, enredo complicado e muitas personagens, bastando ter duas pessoas que falam, se conhecem e tentam lidar com as suas emoções e como essas podem impactar a sua vida.

Vejam!

Margarida Rodrigues Pinhal