Crowded – 01×01 – Pilot
| 21 Mar, 2016

Crowded, a nova aposta de comédia da NBC, é totalmente desnivelada enquanto série, falha redondamente no departamento de fazer rir e, por vezes, é lamentavelmente exagerada na tentativa para o fazer. A premissa da série é clara, a história de dois pais, que veem as suas duas filhas voltar para casa depois de quatro anos com free pass. Ao mesmo tempo também recebem os avós, que ficam na cidade, com a desculpa de “já que vocês precisam de nós agora”.

Criada por Suzanne Martin (Hot in Cleveland, The Client List), Crowded é colocada no ar pela NBC, supostamente como uma série de comédia. No entanto, bastam cinco minutos para constatarmos que não queremos assistir a mais nenhum minuto. Previsível, sem piada alguma, com uma narrativa fraca, tornando o episódio piloto um fracasso.

A série segue Mike (Patrick Warburton, Rules of Engagement e Seinfeld) e Martina (True Blood, Carrie Preston), um casal que finalmente teve o direito à folga da parentalidade e desfruta tudo o que a vida lhes pode dar. No entanto, tudo passa apenas por… sexo e referências ao mesmo. Mas quando as suas duas filhas adultas, Stella (Mia Serafino) e Shea (Miranda Cosgrove) decidem voltar a morar com eles, Mike e Martina começam a sentir algum desespero… a casa está novamente lotada (crowded).

Há momentos verdadeiramente engraçados, mas esses são a exceção à regra. Os personagens não têm profundidade nenhuma e apresentam os típicos e desnecessários clichés. Um pai rabugento que quer sexo a toda a hora, uma mãe que quer estar na moda, uma filha mais velha com complexo de melodrama, ao passo que a mais nova só fala por intermédio de estatísticas. Para terminar, dois avós (Stacy Keach e Carlease Burke) que não acrescentam nada. E já me esquecia do namorado da filha mais velha, um caloteiro que é desprezado por Mike.

A escrita também é igualmente má e demasiado previsível, com falas e situações demasiado forçadas ao riso.

Crowded, uma multi-camera sitcom, não tem uma das piores premissas, no entanto, o piloto falha em trazer algo de interessante com ele. As piadas são forçada, a narrativa é fraca, levando a série a cair em algo totalmente banal, sem graça e doloroso de se ver. Um dos pontos fortes, se não o único, é o elenco da série contar com Warburton.

Fernando Augusto

Publicidade

Populares

ramy

calendário estreias

the resident poster

Recomendamos