Classificação

9
Interpretação
9
Argumento
10
Realização
8.5
Banda Sonora

[Não contém spoilers]

Tower of the Angels, o quarto episódio desta 2.ª temporada de His Dark Materials, introduz as tão aguardadas presenças de Andrew Scott e Phoebe Waller-Bridge, a icónica dupla de Fleabag! Tenho de admitir que como fã incondicional de Fleabag gritei um bocadinho quando a dupla apareceu. Andrew Scott interpreta Stanislau Grumman, aka John Parry, aka Jopari (quantos mais nomes é que este homem vai ter?), e Phoebe dá voz ao seu daemon, Sayan Kötör.

Jopari e Sayan encontram-se com Lee Scoresby e temos outro encontro muito aguardado: Andrew Scott e Lin-Manuel Miranda a contracenaram. Foi um momento de grande qualidade e mostra que esta 2.ª temporada está mesmo a esmerar-se no que toca à representação e aos atores escolhidos.

Quem se destacou também neste episódio foi Will. Diria mesmo que este episódio lhe foi dedicado, já que Lyra estranhamente não tem quase protagonismo. Não querendo ser aquela pessoa que se gaba de já ter lido os livros, há uma cena de que já estava à espera, mas que me chocou aquando da leitura. Apesar de já saber o que vinha aí, a cena perturbou-me tão ou mais do que no livro. Estou curiosa para saber as reações das pessoas porque para um livro dirigido a um público juvenil, é hardcore!

É com este episódio que a posição de Will como herói toma forma. Apesar de achar que a transformação foi um pouco rápida demais, é um começo de uma aventura e consegue trazer mais dimensionalidade a Will, uma personagem que até agora tinha mais um papel de sidekick da protagonista. Consegue também reverter os papéis, colocando Lyra na posição de apoiante, ajudando Will a aceitar o seu novo destino e a lidar com as responsabilidades. Além disso, um episódio dedicado a Will prova as capacidades de representação de Amir Wilson, que se tem portado à altura, principalmente considerando a idade do ator.

Tenho agora de tirar um momento desta review para apreciar a cinematografia que me continua a maravilhar. Neste episódio, os efeitos especiais usados para representar a faca e as janelas para os outros mundos foram mesmo mágicos, com uma qualidade de detalhes impressionante. Mais uma vez, acho que nesta temporada só faltam mais daemons, mas é verdade que eles estão bastante ausentes no livro também. No entanto, não consigo deixar de ter pena porque acho que é dos principais elementos que distingue esta série e esta história de outras de fantasia.

Por fim, estou a gostar da história de Mary, que prova ser uma personagem muito inteligente e vê essa inteligência recompensada pelo Pó neste episódio. Estou ansiosa para ver como a série vai continuar a lidar com esta personagem, que está um pouco de parte, mas é essencial à história.

Tower of the Angels foi um episódio brilhante, com um ritmo emocionante, que conseguiu introduzir alguns dos pontos mais importantes para a história desta temporada. Conseguiu também desenvolver  as suas personagens, principalmente Will, e introduzir as tão esperadas personagens representadas por Andrew Scott e Phoebe Waller-Bridge. A partir daqui, a montanha-russa continuará a subir e eu mal posso esperar para ver o desfecho.

Como sempre, deixa a tua opinião acerca do episódio! Vemo-nos para a semana.

Ana Oliveira