How to Get Away With Murder – 04×10 – Everything We Did Was For Nothing
| 29 Jan, 2018

Publicidade

[Contém Spoilers]

As dúvidas continuam: quem tem o disco com toda a informação da Antares e porque razão Wes ligou a Dominic? Mas vamos por partes!

A Antares torna-se uma empresa pública e Jorge passa a ser um dos homens mais ricos de toda a América. Já Laurel continua internada na ala psiquiátrica, enquanto espera pela audiência da custódia do bebé.

Laurel questiona por que razão ainda continua hospitalizada, visto não ser verdadeiramente louca, mas Annalise, apesar de lhe dizer que está a fazer de tudo para a tirar dali, acha que é mais seguro mantê-la no hospital e não lhe contar acerca da chamada de Wes para Dominic.

Frank mantém o telemóvel de Dominic, que está constantemente a tocar, e Annalise manda-o desfazer-se do telemóvel imediatamente. Depois, Annalise visita Nate em busca do disco, mas sem sucesso, o disco continua em sitio incerto, até para a polícia.

Entretanto esquecida, a ação coletiva retorna com Annalise a colocar Connor, Asher e Oliver ao serviço de forma a arranjarem uma “cara” adequada para a mesma.

Michaela, que mandou mensagem a Tegan, faz de babysitter de Laurel no hospital e em conversa com ela e com Annalise percebe que esta última mente e quer manter Laurel no hospital. Confrontando-a, descobre que Annalise quer manter Laurel no hospital para a manter segura e porque ainda não sabem porque razão ela teve o bebé tão prematuramente e que pode tornar-se muito descuidada quando sair do hospital. Michaela, muito astutamente e sem Laurel perceber, acaba por descobrir a razão pela qual Laurel teve o bebé tão cedo. Laurel conta-lhe a pancada que Frank lhe deu na barriga quando esta o tentou separar de Connor em casa de Wes.

Oliver continua de consciência pesada e tenta visitar Simon, que se mantém em coma, e acaba por conseguir, pedindo-lhe desculpa pelo que aconteceu. Asher e Connor vão à sua procura e Asher é o herói do dia ao fazer ver a Oliver, com a sua própria experiência depois de ter morto Sinclair, que a vida tem de continuar e terá que superar o que aconteceu.

Frank não se desfez do telemóvel de Dominic e é descoberto por Annalise, pois o telemóvel começa a tocar quando estava com ela. Ele explica-lhe que conseguiu arranjar uma aplicação que permite descobrir de onde é feita a chamada e descobrem que a chamada vem da Promotoria! Só pode ser Denver. Para descobrirem mais têm que pedir ajuda a Bonnie. Frank sugere que Annalise lhe peça desculpa e resolvam os problemas. Annalise segue o conselho e visita Bonnie, que rapidamente percebe o que Annalise quer: o disco e Denver. Acabam por ter uma conversa franca e sincera e pedem desculpa uma à outra, explicando as suas razões. Na última conversa que tiveram, Bonnie disse que a amava, mas não no sentido que Annalise interpretou; Bonnie não está apaixonada por ela, é um amor de família, de necessidade, de ligação. E no final ambas concordam que o relacionamento tem sido de respostas às necessidades de ambas e de desculpas pelo mal que têm feito uma à outra ao longo de toda a vida desde o momento em que se conheceram. Bonnie questiona ainda Annalise porque continua a ajudar os seus alunos e a aparar os seus golpes, ao que ela responde que precisa de o fazer para não se sentir tão vazia e que não é uma pessoa terrível. Depois desta conversa, Bonnie decide ajudar Annalise com Denver.

Apesar de Laurel lhe pedir para não contar, Michaela confronta Annalise e Frank com a verdadeira razão do nascimento prematuro do bebé e Annalise decide pedir ajuda a Isaac para que este avalie Laurel e a consiga tirar do hospital. Depois de uma intensa conversa com Laurel, na qual esta pôs o coração nas mãos e foi o mais sincera possível, conseguem que esta tenha alta e regresse a casa.

No caso da ação coletiva, Connor encontra um nome para ser a cabeça de cartaz: um homem chamado Nate Lahey! Pai de Nate ou Nate roubou a identidade a um homem que está preso há muitos anos?

Michaela encontra-se com Tegan, que a avisa que tem que ter cuidado e para não a contactar mais porque isso pode ser perigoso. Tegan sabe do que Jorge é capaz e não está preocupada com o que realmente aconteceu, só não quer ser envolvida nisso, como também já tinha mostrado na conversa com Nate.

Denver encontra-se com Jorge e conta-lhe que não descobriu Dominic, mas que têm outro problema entre mãos: Bonnie! Denver sabe que Bonnie está a jogar nos dois campos. O que pode isto significar para Bonnie? Ela sabe demais!

De volta a casa, Laurel ouve o telemóvel de Dominic tocar no bolso de Frank e Annalise decide contar-lhe a verdade e mostrar-lhe a mensagem de Wes para Dominic. Neste momento, o telemóvel toca e Annalise e Frank tentam impedi-la de atender por ser o seu pai que está a ligar, mas ela diz que não é ele, atendendo a chamada nesse momento e dizendo: “Olá, mãe!”.

Episódio morno, que teve partes que serviram apenas para encher tempo do episódio, mas que teve outras que nos fizeram ficar a pensar e que têm imensas respostas possíveis, o que reflete um dos pontos fortes da série. A questão de Nate é curiosa, pois um personagem que passou despercebido a maior parte da história, e por quem nós espectadores não dávamos muito, acaba por ver-se envolvido nesta questão de roubo de identidade ou história de vida. Se bem que, provavelmente, não vai acrescentar nada de muito relevante para a história.

A bomba do episódio para mim é a última frase: “Olá, mãe!”. A mãe de Laurel vai entrar na discussão e pode ser o ponto chave para destruir Jorge. Mas continuam as questões, pois Dominic aparentemente fazia um jogo duplo, tanto trabalhava para Jorge como para a sua mulher, como também mantinha contacto com Wes. Qual a ligação de todos estes pontos? Estou curioso.

Para finalizar, deixem-me só dizer que estou um bocadinho farto de Isaac, que acho que já não faz nada na história, e que gostei finalmente da conversa sincera de Bonnie e Annalise. Esta foi ‘a’ cena do episódio!

David Pereira

Publicidade

Populares

calendário estreias posters maio 2024

trying 4 apple tv+

Recomendamos