Classificação

8.5
Interpretação
8.4
Argumento
8.8
Realização
8.7
Banda Sonora

[Contém spoilers]

David, The Chosen One

Tal como vemos noutras séries, por exemplo em Game of Thrones, o clímax da temporada de Legion foi sem dúvida atingido no penúltimo episódio, deixando os produtores este último para atar algumas pontas e lançar perguntas para a próxima temporada.

Assim, para além de não ficarmos com aquela sensação de grandiosidade de uma season finale, nos primeiros 10 minutos do episódio também nos perguntamos o porquê de estar a assistir à vida de uma personagem que apareceu uma única vez no primeiro episódio da série. O interrogador da Division 3 (Clark), não só sobrevive às queimaduras do ataque de David como o vemos passar por um processo de recuperação até voltar a estar ativo como agente de campo, no exato momento em que invade Summerland. Descobrimos também que é o novo The Eye e que o alto comando da Division 3 assiste todo à demonstração do poder de David, assim como à ameaça de Shadow King. Vamos agora parar e explorar as dúvidas com que ficámos envolvendo toda a Division 3:

  • Afinal o que querem eles na realidade?
  • A que se deve o interesse de Clark em David? Parece ir mais além do que o simples interesse nos seus poderes.
  •  A imagem do lobo na bengala de Clark terá algum significado maior?
  • De que serviram as revelações de que Clark é homossexual (e apesar de ele referir que é casado, naquela altura o casamento homossexual ainda não era permitido) e que tem um filho adotado de raça negra? Foi algo que pareceu tão forçado que eu interpretei como uma crítica à necessidade selvática de diversidade e integração que os críticos agora exigem nas produções tanto do pequeno como do grande ecrã. Mesmo não sabendo que Clark tinha o Eye, porque é que Melanie e companhia o deixaram assistir a todo o confronto com o Shadow King e investigar as instalações à vontade?

“War is over, if you want it.”

Fica-se com a ideia de que na 2.ª temporada poderemos ver os elementos de Summerland a tentar trabalhar com a Division 3, já que a guerra não parece uma opção muito válida e Shadow King demonstrou que há preocupações muito mais imediatas. David mostrou que, venham quantos exércitos vierem, com o acenar de uma mão ele é capaz de varrer a ameaça como quem enxota uma mosca. Foi uma impressionante demonstração do poder de David agora que ele está no controlo. No entanto, não chegámos a descobrir o que é o Equinox; a Division 3 estava confiante que esse trunfo poderia subjugar David.

O pior que pode acontecer a um paciente esquizofrénico é deixar-se levar pelas suas ilusões e realmente acreditar nelas. Uma vida tão assombrada levou David a tentar cometer suicídio, e quando começa a série vemo-lo em Clockworks, onde descobrimos que passou seis anos. Não foram seis anos numa ilha deserta ou numa cidade mística, foram anos passados num hospital psiquiátrico onde todos os dias era relembrado da sua “doença” e da incapacidade de ver o mundo como ele é na realidade. De repente, dizem-lhe que é um mutante e tem super-poderes, que existe uma guerra contra o governo e que a sua esquizofrenia não passa de um mutante parasita que o infetou desde que ele era bebé. Se fosse com vocês, acreditavam nesta treta? Muita gente ainda esperava que neste último episódio a resposta à pergunta “Isto é real?” fosse que nada era real e que tudo não passou de uma grande ilusão de David. Felizmente, parece que é tudo bastante real.

O ponto crucial do episódio foi a definitiva separação de Lenny da mente de David. O “desfazer da sopa” foi bem mais complicado que se estava à espera e enquanto a grande heroína foi Syd, o sacrifício final foi feito por Oliver. A batalha da Team Summerland vs Lenny/Farouk/Demónio dos Olhos Amarelos/Shadow King foi acompanhada por nada menos do que Pink Floyd’s Dark Side of the Moon: “Breathe” e “On the Run”. E agora que David está livre do parasita, a grande questão que fica é: Quem é David sem Farouk?

Quanto às outras personagens, tivemos a tragédia entre Oliver e Melanie: o marido recuperado que não se lembra da mulher e que no momento em que a recordação começa a regressar é raptado por um dos seres mais perigosos do mundo. Poderá Oliver livrar-se do Demónio dos Olhos Amarelos? Oliver, o herói que nos surpreendeu a todos, com uma personalidade única e que já deixa saudades. Tivemos ainda o desentendimento entre Cary e Kerry: um tormento sentido pela parte de Cary, uma certa infantilidade de Kerry, e no final o conflito foi tão rápido que não deu para aproveitar e ter a perceção do que lhes aconteceria estando tanto tempo separados. Quanto a Ptonomy, tem que se inscrever no ioga e desapertar o dedo do gatilho, pois é uma sorte não ter morto ninguém.

É imperativo que numa próxima temporada comecem a chover respostas no que diz respeito a alguns enredos da série, pois sem o seu suporte poderá haver risco de desabamento. Do esclarecimento da Division 3, à caracterização aprofundada das várias personagens de Summerland e a um papel mais ativo de David, são muitos os desejos que deixamos para a próxima etapa da série. Não esquecer que existe uma cena pós-créditos no episódio e que irá incendiar os fãs com teorias nos meses que se seguem. O que é aquela esfera? Equinox? Mojo? X-Men? Deixem as vossas ideias nos comentários.

E agora que está terminada a 1.ª temporada e confirmada a 2.ª, o que têm vocês a dizer sobre esta viagem alucinante? Fãs de super-heróis, a série convenceu? Pessoal que não vai muito à bola com os super, estão a bordo para o próximo capítulo da aventura de David Haller? A season 2 de Legion chegará em 2018 e contará com mais episódios, 10 em vez de apenas 8. Até lá, deixem a vossa mente despertar!

Emanuel Candeias