Pilotos da Amazon 2017
| 31 Mar, 2017

Chega uma nova leva de pilotos da Amazon, porém este estúdio tem uma particularidade: quem tem uma grande influência na decisão de dar luz verde a uma série ou de se ficar por ali são os espectadores e o feedback que oferecem. Assim, apresentamos brevemente o nosso parecer sobre cada um dos pilotos e qual seria a decisão se estivesse ao nosso encargo.

 

The Marvelous Mrs. Maisel

Mrs Maisel

Este piloto de uma hora conta a história de Miriam Maisle, uma dona de casa nos anos 50, uma bonita mulher que é obsessiva-compulsiva e vive com o seu marido e dois filhos. Regularmente vão a um clube à noite para Joel, o marido, atuar como comediante. Existe um pequeno problema, Joel não tem piada absolutamente nenhuma, tal como a maior parte do episódio. Depois de uma noite particularmente má, este decide abandoná-la e trocar Miriam pela secretária. Nessa noite, bêbeda, Miriam acaba por atuar no mesmo clube e descobre que tinha um jeito que o marido nunca teve, acabando, com alguma ajuda, por ficar interessada em experimentar esta vida. Ao longo do episódio são também introduzidos os pais, mais duas personagens sem piada ou interesse. Apesar de não ter gostado dos primeiros 45 minutos, acho que se justifica a falta de piada tendo em conta o enredo ser levar Miriam a perceber que tem jeito para o humor. Gostaria de ter oportunidade de ver mais um episódio.

Nota: 6

Veredicto: Continuar.

The New VIP’s

New VIPs

The New VIP’s é uma série animada cujas personagens principais são Lenny e Bud, dois funcionários de uma empresa que estão pouco satisfeitos com o chefe e decidem ir falar com este. O problema começa quando este morre durante a sua conversa, dando origem ao enredo do resto do episódio, em como Lenny e Bud tentam esconder o corpo, acabando por meter mais pessoas ao barulho. Para uma série que tenta ser cómica, na minha opinião falha redondamente, não achei piada e não tem um enredo suficientemente bom para valer a pena. Tenta o humor mais ordinário, mas mais uma vez falha, acabando por apenas ser uma série um pouco ordinária, muitas vezes desnecessariamente. Acho que não justifica uma aposta da Amazon e caso a série continue, a minha jornada com ela fica por aqui.

Nota: 4

Veredicto: Ficar pelo piloto.

Budding Prospects

Budding Prospect

Budding Prospects segue a vida de dois amigos, Phil e Felix, que estão a preparar um projeto, uma espécie de sátira política feita através da destruição de robôs e o uso de pirotecnia. Acaba com Phill a ser preso e proibido de fazer demonstrações daquele género no estado. Assim estão ambos sem emprego e pobres quando surge uma oportunidade de negócio. Um indivíduo peculiar e misterioso, Vogelsein, tenta recrutar Felix para um negócio de droga que está a começar, e tudo o que envolveria era abdicarem da vida deles por 9 meses. Assim convencem outro amigo a embarcar neste negócio e são recebidos em casa dele para os preparativos da viagem. O episódio termina com esta viagem a começar. Senti novamente uma tentativa de meterem aqui alguma piada, mas sem grande sucesso, no entanto o enredo em si e as personagens são suficientemente interessantes para valer a pena uma oportunidade.

Nota: 6.5

Veredicto: Continuar.

The Legend of Master LegendMaster Legend

Em menos de 30 minutos, esta série é capaz de nos cativar com uma abordagem cómica da negra realidade da vida de um verdadeiro super-herói no nosso mundo. Será que é possível trazer algo de bom a este mundo quando parece que temos toda a gente contra nós? Baseado numa história real, a série conta a saga de Master Legend: um homem de meia-idade a viver sozinho numa garagem, com uma filha adolescente nada fácil de lidar, uma ex-mulher que perdeu pela escolha de continuar a tentar ser um super-herói, um melhor amigo (Larry) sem ambições e que vive às custas da mulher e um irmão violento e ex-presidiário (Peanut Head). Para além de tudo isto, Master Legend é o herói de Las Vegas, trazendo ordem e bondade às ruas da cidade. Já imaginaram a vida de um super-herói sem todo aquele glamour e adrenalina, mas apenas a dura e crua realidade? Iríamos conseguir manter-nos no caminho seguido por Master Legend ou teríamos mais a tendência de seguir as pegadas de Peanut Head? Com um elenco sólido constituído por John Hawkes (Master Legend), Shea Whigham (Peanut Head) e Eugene Cordero (Larry) e apostando num sub-genre menos explorado, parece ter pernas para nos dar uma boa 1.ª temporada, apesar de a longo prazo a série poder vir a perder o seu foco,

Nota: 7.5

Veredicto: Continuar.

Oasis

Oasis

O grande gigante em termos de produção dos pilotos deste ano da Amazon é Oasis, baseado no livro The Book Of Strange New Things, de Michel Faber. Com um misto de sci-fi pop e uma intriga interessante, a série transporta-nos para o ano de 2032, num planeta Terra cada vez mais lotado e degradado e cuja esperança da humanidade é a colonização de outros planetas. A primeira tentativa dá-se num ponto da galáxia bem distante da Terra, no planeta Oasis, um belo deserto gigante com paisagens lindas e um céu incomparável. O projeto corre bem até que o diretor David Morgan, antes de desaparecer, contacta o protagonista, Peter Leigh, a pedir desesperadamente a sua ajuda e que viaje da Terra para Oasis. O interessante é que Peter é nada mais nada menos que um padre (ecuménico). Porque é que uma colónia no espaço precisa da ajuda dum padre? O que levou a que quatro pessoas morressem em acidentes após terem “alucinações”? O que significa a frase deixada por David: “What I tell in the Dark, speak in the Light”? No espaço de uma hora, apesar de alguns pontos bastante óbvios, a série cria uma aura de misticismo e drama suficiente para desejarmos um segundo episódio deste thriller espacial. Não caindo no erro da previsibilidade, a evolução de Oasis pode vir a criar uma série de culto. De Senhor do Norte (Game of Thrones), a um dos banqueiros mais famosas da história (Medici: Masters of Florence) e agora como padre Peter, o nome de Richard Madden também pode ser um apelativo para quem quer dar uma oportunidade à serie.

Nota: 7.8

Veredicto: Continuar.

E vocês, o que acham desta política da Amazon? É uma boa maneira de afunilar e selecionar séries de qualidade, dando mais poder ao público? Ou acaba por ser um desperdício de tempo e atrasa o lançamento da série em si, acabando por cair um pouco no esquecimento quando sai o segundo episódio? Se tiverem oportunidade, não se esqueçam de votar no site da Amazon nas séries que querem que continuem.

Emanuel Candeias e Raul Araújo

Publicidade

Populares

she hulk poster

Recomendamos