Outlander – 02×12 – The Hail Mary
| 27 Jun, 2016

Publicidade

Estamos de volta a terras escocesas com o nosso casal favorito da televisão e estamos a um episódio do final. Enquanto Jamie se esforça para impedir que o exército jacobita seja exterminado na batalha de Culloden Moor, Claire ajuda Mary a confortar o jovem Alex Randall que está perto da morte. É aqui que reencontramos o terrível Jack Randall que surpreendentemente torna-se essencial para que o legado Randall se mantenha vivo, ainda que a data da sua morte esteja a chegar.

A trama de Outlander vai oscilando entre drama pesado, escolhas difíceis, até às interessantes estratégias militares. O destino está traçado, mas conseguirá o casal Fraser mudar o rumo da história? Ainda que fique aquém das expectativas, “The Hail Mary” lida mais uma vez com questões humanas ambíguas e de forte intensidade. Aqui a batalha ainda está por acontecer e ao acompanharmos Jamie vemos que as dificuldades em controlar o príncipe Charles e os seus generais estão bem longe de terminar, mas é Claire que continua a roubar o protagonismo. Ao voltar a encarar Jack Randall olhos nos olhos, vemos que a nossa heroína terá que sacrificar o seu ódio para poder ajudar o irmão do tirano. Com diálogos inteligentes e uma audácia tenebrosa, “The Hail Mary” foca-se precisamente nas exigências morais do ser humano. Deve Claire ajudar Alex Randall? O pobre rapaz, no leito da morte, não parece ter nenhuma característica que o torne uma pessoa execrável como o seu irmão mais velho, mas a sede de vingança contra Randall é substituída por um instinto salvador de Claire.

Acima de qualquer outro elemento da história, Claire é a personagem mais trabalhada da série. Caitriona Balfe é brilhante e uma atriz feita para papéis moralmente ricos. Claire sabe que se, de alguma forma, não contribuir para que o legado dos Randalls se mantenha por várias gerações, Frank (o seu marido no futuro) nunca nasceria. É importante referir que no início da temporada vemos Claire regressar ao seu tempo aparentemente traumatizada. O que terá despoletado isto? Só na próxima semana é que saberemos.

Ainda que tenha o seu mérito, “The Hail Mary” não é, de todo, um dos melhores capítulos da temporada e, enquanto Jamie vai resolvendo este jogo de gato e rato com o príncipe Charles, pelo menos Claire vai fazendo progressos. A realização de Philip John continua a surpreender e a banda sonora vai adornando os momentos do episódio com uma intensidade fulgurante. Mas, acima de tudo, os diálogos continuam inteligentes e a fotografia continua a trazer este universo de Diana Gabaldon com uma beleza inigualável.

Jorge Lestre

Publicidade

Populares

calendário estreias posters junho 2024

Clãs da Galiza Clanes Netflix

Recomendamos