Classificação

8.7
Interpretação
8
Argumento
8.9
Realização
8.5
Banda Sonora

The Brunisher vs Legion of Whom

O limite de Limitless está aqui. A season finale e a conclusão do confronto com Sands e com todos os vilões da Legion of Whom.

Apesar da pressão de ser o último episódio, foi bom ver que a equipa produtora não se esqueceu de introduzir momentos leves que tão bem caracterizam a série. A versão imaginária de Brian do covil da Legion of Whom estava espetacular e as suas maquetes e trabalhos manuais também estiverem no topo da originalidade.

Todo o plano dos vilões teve uma perspetiva bem real e fez lembrar os planos de Morra para enriquecer no filme, pena terem abordado apenas a ponta do icebergue, mas no geral gostei, principalmente das explicações de Brian. Os momentos de Brian em NZT brilharam ainda com ele a captar as pequenas pistas que os vilões deixaram nos assassínios – realmente sem Brian o FBI não teria hipótese contra Sands.

Também não faltaram cenas boas de ação. Desde a perseguição de Clay Meeks, até ao grande pico na operação da refinaria de NZT, onde o FBI deu cabo de toda a Legion. Nesse aspeto, gostei do confronto imaginário de Brian (Superbrian/Brianpool/The Brunisher/Wolverian) contra Brewster e ainda mais de ele se aperceber que a realidade não é assim tão esplendorosa. Mas Sands a ir abaixo pareceu-me demasiado simples e apesar de ele referir que estava em NZT e Rebecca não, no fim não se viu o potencial de Sands em NZT.

Fiquei surpreendido com Piper a aparecer no final e ter conseguido escapar sozinha no meio da confusão. Piper foi uma personagem que me conquistou logo desde o primeiro minuto e fico muito contente por ter sobrevivido. O facto de ter desenvolvido uma imunidade permanente ao NZT mostra que possui capacidades impressionantes (de rivalizar com Morra?) e o não querer que essa imunidade caia nas mãos erradas mostra que também possui um senso de moral. No final fiquei na dúvida do porquê de Brian não ter ficado com Piper e ter voltado para o FBI. Como é que o FBI aceitou tão facilmente que ele de repente fosse de facto imune ao NZT? E espero que esta nova equipa seja mais direcionada a perseguir Morra e outros casos ligados diretamente ao NZT e que na 2.ª temporada não voltemos a ver uma repetição de perseguição a bandidos comuns e casos da semana facilmente esquecidos.

Os efeitos secundários do NZT apesar de serem visualmente interessantes de ver em Brian, parece-me que apareceram meio como uma falha. Não seria suposto eles aparecerem só se Brian deixasse de consumir NZT? Ou será que eles estavam tão evoluídos devido ao consumo prolongado a que Brian se sujeitou? Fiquei sem perceber.

Numa análise geral da série…

Pontos positivos:

  • Jake McDorman como Brian é brilhante;
  • a relação de Brian com Rebecca e todas as beer’o clock; Piper é uma personagem espetacular;
  • Sands foi um bom vilão;
  • os poucos momentos em que Bradley Cooper apareceu como Eddie Morra valeram sempre a pena;
  • ótimos momentos leves e de humor que caracterizam a série.

Pontos negativos:

  • a família de Brian, que raramente o apoiou e nunca percebeu a dimensão do que se estava a passar;
  • demasiados casos no FBI que começaram a tornar-se demasiado monótonos;
  • pouco tempo com Eddie Morra e nunca chegámos a perceber quais os planos dele (esperemos que isso seja aprofundado na 2.ª temporada);
  • algumas incoerências em relação ao filme e factos que ficaram por explicar.

Em suma, Limitless teve qualidade o suficiente para criar uma grande legião de fãs e para produzir uma temporada que se vê facilmente e que entretém. Para a 2.ª temporada há muito por onde podem pegar e melhorar, de forma a darem-nos algo ainda melhor. O que acharam vocês de Limitless? Esperemos que nos voltemos a ver daqui a uns meses numa nova temporada. Até lá, abram as vossas mentes.

Emanuel Candeias