Agent Carter – 02×04 – Smoke and Mirrors
| 07 Fev, 2016

Publicidade

Contém SPOILERS!

Mais uma semana passou e Agent Carter voltou para novos desenvolvimentos! Ao contrário dos anteriores, este episódio foi mais morno relativamente à ação. Contudo, começou a contextualizar a protagonista e a vilã da temporada. Ando preocupado com as audiências que caem de episódio para episódio, temo que a melhor série de heróis, relativamente à qualidade global com que é feita, seja cancelada no fim desta temporada.

Pouco aconteceu, mas mesmo assim conseguimos perceber um pouco sobre o passado das mulheres centrais da temporada: Peggy, a heroína, e Whitney, a vilã. Peggy era uma típica rapariga americana, tinha um noivo e o seu maior sonho era casar-se de branco e viver sob a autoridade do marido. Mas a SOE propõe-lhe tornar-se agente e tudo muda quando Michael, o irmão inseparável de Peggy morre, e ela abandona todos os seus sonhos para seguir as pisadas militares do irmão. Já Whitney teve uma infância mais complicada, já que a sua mãe aproveitava o facto de ser bonita para ter um homem que a sustentasse. Sendo assim, Whitney cresceu a valorizar a aparência, apesar da sua inteligência acima da média. Por um golpe de sorte, é encontrada por um agente de cinema que a leva ao estrelato. Pelos flashbacks reparamos que sempre tivemos duas mulheres de personalidade forte capazes de saírem da sua zona de conforto para atingirem os seus objetivos.

Bem, o amor platónico de Peggy e Wilkes já me dá azia. É verdade que todas as séries se baseiam numa relação amorosa, mas Agent Carter safou-se bem na primeira temporada sem este pormenor. É verdade que formam um casal giro, mas dispensava-se, mas caso haja necessidade, prefiro que seja com o Daniel, um homem íntegro que sempre a apoiou e que gosta dela genuinamente.

Ainda não percebi bem Vernon, um dos principais diretores da SSR. É verdade que ele pertente ao Conselho dos 9 e ao Clube Arena. Comprometido com este clube secreto, Vernon condiciona as investigações, mas, contrariamente a Thompson, Peggy e Daniel não se deixam vergar. Ao ver Vernon, veio-me um flash ao pensamento… tudo se encaminha para que este personagem seja um dos cabecilhas da Hydra, fazendo do Conselho dos 9 um dos seus principais focos. Nesta medida, estamos perante uma aproximação abismal a Agents of SHIELD, maior do que aquela que imaginávamos em relação às opções de guião tomadas nesta temporada.

Os momentos mais cómicos, como não poderia deixar de ser, pertencem a Peggy e a Jarvis e o rapto desajeitado ao motorista de Whitney e Chadwick. Daniel junta-se à equação e parece que compõe muito bem o trio. O bluff de Peggy resulta e o prisioneiro vai ter com os seus patrões com uma escuta. Pena que ninguém percebeu o que realmente se passou quando Whitney o absorveu com o poder que a matéria zero lhe confere. No entanto, a desesperada Whitney deu lugar a uma mulher confiante que explora os seus poderes sem medo das consequências.

Questões em análise:

  • Estará Agent Carter mais próxima de Agents of SHIELD do que pensámos? Estaremos perante a Hydra?
  • Qual será a reação de Chadwick quando perceber a verdadeira origem dos poderes da esposa?
  • Vernon anda a condicionar investigações descaradamente! Quando é que Peggy vai perceber o que se passa?
  • Quando é que Whitney vai perceber que só ela consegue enfrentar Peggy? Vai ser épico!
  • Onde anda a esposa de Jarvis?

Rui André Pereira

Publicidade

Populares

estreias calendário séries março 2024

interview with the vampire

Recomendamos