Once Upon a Time – 05×08/05×09 – Birth/The Bear King
| 26 Nov, 2015

Publicidade

Onde está o limite pelo que devemos fazer por uma pessoa? Será que vale mesmo tudo por amor? Eu vi Snow White e David dividirem um coração. Vi Regina trazer Daniel dos mortos. Vi Regina despedir-se de Robin para ele ficar com a mãe do seu filho. Já assistimos a muitas demonstrações de amor em Once Upon a Time. A série gira à volta disso. Agora, nunca pensei que todo este esquema de Emma Swan enquanto Senhora das Trevas andasse à volta… de Hook.

Por fim, a verdade. Emma tinha realmente motivos para todo aquele secretismo e por ter escolhido agir sozinha desta vez.

No entanto, vamos começar pelo episódio, que começou onde o outro nos deixou. Arthur quer trocar a espada Excalibur por Snow, David, Robin e Regina. Para isso usa Merlin, comandando-o com a outra metade da espada. Com a ajuda de Zelena, claro, que muda a sua aliança como muda de pele verde para pele normal. Mesmo ela sendo malvada da cabeça aos pés, não há dúvida que a fantástica performance de Rebecca Mader tornam A Bruxa Má do Oeste uma lufada de ar fresco, agora que Regina já não é a Rainha Má.

Foi um episódio em grande e sem direito a paragens. Emma recupera a família depois de puxar por Merlin e o convencer de que ele pode derrotar as trevas. O pior vem a seguir.

Emma é uma pessoa fechada. Não é novidade nenhuma. Agora, eu queria saber qual era a cena dela. Queria manter a escuridão para proteger a família? Muito batido. Credível, mas era óbvio demais. Teve de ser Regina a fazer o que tinha de ser feito. Ela anda realmente pouco presente nesta temporada. Ela e Rumplestiltskin são dois personagens tão bons e estão a ser preteridas por uma Emma que parece que engoliu um garfo e tem neve falsa no cabelo e por um Arthur que, muito bem que tenha começado, começa a tornar-se irrelevante nesta história toda.

Medo do futuro. Tão simples quanto isto. Emma tem tido azar nos romances. O seu primeiro amor e pai do filho morreu nas mãos de Zelena e já para não falar do trauma de ter sido órfã durante 28 anos da sua vida não torna Emma numa pessoa muito otimista. Tudo aquilo que sofreu também explica as medidas drásticas tomadas quando viu o futuro que tanto temia a fugir-lhe.

Em Storybrooke, Emma coloca adubo na barriga de Zelena enquanto que Hook procura afincadamente por ela depois de uma conversinha com Rumple. Bom saber que estes dois ainda conseguem ter conversas sem se tentaram matar depois do que aconteceu na temporada passada. Tempos desesperados dão nisto…

Então Emma não quer acabar com a Luz. Quer acabar com a Escurdião e quer colocá-la toda em Zelena, daí ter acelerado o processo da gravidez uns bons meses. Já Hook… bom, ela tem Hook por outro motivo. Mesmo depois de juras de amor, de perdão, Emma continua sem dizer a Hook o que realmente aconteceu em Camelot. Por isso, Hook descobriu da pior maneira possível.

Os dois escaparam da cave de Emma. Deus do céu! Seria de esperar que Emma fosse mais esperta e soubesse que Zelena é mágica e aquela pulseira não está pregada ao seu pulso. E quando Zelena se alia a alguém normalmente nunca é para o bem. Neste caso, se calhar foi. Emma não estava mesmo à espera de conseguir livrar Hook das trevas sem ele se aperceber, certo?

E ó meu Deus, ela transformou o Hook noutro Senhor das Trevas!!! Isto sim é um plot twist. E ferido da Excalibur não é possível ser curado e a única maneira de salvar Hook era… torná-lo imortal. Era também torná-lo naquilo que ele mais despreza e naquilo de que ele foge depois de tanto esforço e sacrifício pessoal. Não, Emma não merecia perder o amor da sua vida. Todavia, Hook também não merecia aquele destino, mesmo que ela os consiga livrar dele.

Portanto, está uma pessoa a chorar com a reação de Hook (esperada e justa) quando nos levam para Dun Broch e não desenvolvem a bomba que acabam de lançar! Episódio duplo? Amigos, mais valia terem transmitido Birth numa semana e The Bear King na outra.

O episódio seguinte mostra a grande fraqueza desta parte da temporada (para além da fraca prestação de Jennifer Morrison, obviamente): Merida. As personagens secundárias que são esquecidas e que meia volta regressam sem lógica nenhuma. Todavia, não posso dizer que estou totalmente desagradada por voltar a ver Mulan e Ruby.

Estamos de volta à Floresta Encantada e neste episódio não há David, Regina, Hook nem Emma. Os problemas em Storybooke ficaram pendentes e dá-se destaque a Arthur e à sua loucura de recuperar Excalibur, a Zelena que gosta de um bom drama e a Merida, uma rainha que vê mais uma vez ameaçado o seu lugar no trono.

Que a história da morte do rei Fergus era suspeita já eu sabia, mas não estava à espera que isolassem mais uma vez a história de Merida. É claro que um dos objetivos da personagem é mostrar que é o oposto de Arthur. Ela é uma verdadeira líder, que inspira o seu povo e não precisa de manipulá-lo para ganhar o seu amor. Curiosamente, isto é tudo o que Arthur não é. A história do elmo mostra exatamente o quão diferentes os dois são e que será ela e não os heróis do costume a derrotá-lo. Todos têm motivos para se vingar de Arthur. Mas Merida e Guinevere (não nos podemos esquecer dela, apesar de Kitsis e Horowitz sim) merecem espetar uma faca no coração do pseudo-rei.

Na sua missão para recuperar o elmo supostamente mágico, Merida encontrou a inesperada ajuda de Mulan e Ruby com as coincidências mais parvas que podiam ter inventado. Ruby não podia estar em Storybrooke e perguntava-me se tinha ido viajar pelos Estados Unidos ou se, por outro lado, regressara a casa. A sua partida faz sentido, mas devia ter sido explicada há mais tempo. Já Mulan anda a tentar recuperar do coração partido (por Aurora ou Philip será a eterna questão). Eles saltaram foi a parte em que deviam ter explicado porque é que abandonou os homens de Robin Hood. Sabemos que vai existir um casal homossexual na história, o que quer dizer que vamos voltar a ver Mulan (é ela, certo?) e Ruby, talvez? A relação dela com as companheiras foi demasiado repentina e forçada e não passaram tempo juntas o suficiente para tirar conclusões significativas.

No final, a feiticeira que exigiu o elmo de volta anuncia que tudo não passou de um teste. Sempre adorei estes pequenos plot twists que a série sempre nos ofereceu. E, apesar de esta parte do episódio não me ter convencido muito, fico feliz por vez que Merida conquistou o seu lugar, despediu-se do pai numa cena muito emocional e jurou vingança a Arthur. Concordo que já é altura de o calar.

Maria Sofia Santos

Publicidade

Populares

calendário estreias posters junho 2024

Clãs da Galiza Clanes Netflix

Recomendamos