Homeland – 05×04 – Why Is This Night Different?
| 28 Out, 2015

Publicidade

Tal como referi na semana passada, nunca acreditei que Quinn fosse executar Carrie. Sem grande surpresa para mim, ele “sequestrou” a nossa protagonista por forma a informá-la do perigo que a mesma corria e tentar salvá-la.

Quinn quis, desde o princípio, fingir a morte de Carrie para que ela pudesse deixar de estar sobre os holofotes. Mas conhecendo Carrie como já conhecemos, ela nunca iria colaborar com tal plano sem saber quem realmente a queria ver morta. Para Quinn as coisas estavam bastantes claras, era Saul quem a queria morta, mas a brilhante mente de Carrie puxava para outro lado.

No único encontro entre Carrie e Saul nesta temporada foi notório o clima pesado entre ambos, mas daí até Saul querer matar a sua predileta vai uma grande distância. Nunca acreditei muito nessa teoria e afinal tinha razão. O tiroteio que aconteceu no posto de correios foi bastante esclarecedor e logo ali sabíamos que não era definitivamente Saul o mentor de tudo isto. A forma como Carrie chega ao verdadeiro culpado é bastante simples, mas quem está do outro lado acaba por ser uma surpresa, ou não.

Allison quer acabar com Carrie, mas porquê? Ciúmes da ligação existente entre Saul e Carrie? Já sabíamos que Allison não era assim tão fiel quanto isso a Saul, mas daí a querer ver Carrie e Quinn mortos? Mas isto levanta outra questão que é como é que Allison sabia da operação que Saul estava a desenvolver com Quinn. Faltam-nos aqui alguns dados para perceber qual a real motivação de Allison, esperando que os mesmos cheguem nos próximos tempos.

Enquanto isto, a CIA está de volta ao seu característico plano para resolver os conflitos do Médio Oriente. Por muito que Saul negue perante um dos seus amigos, os EUA querem mesmo depor Bashar Al-Assad. O substituto seria o General Youssef, um homem bastante respeitado em terreno sírio, que é encostado à parede enquanto tenta salvar a vida da sua filha. Quando tudo parecia bem encaminhado, eis que o avisão de Youssef explode em pleno voo e lá se vão as intenções de Saul. Aqui fica no ar outra questão, quem foi o culpado por isto? Não me parece que seja também Allison, pois a mesma aparenta ter ficado tão espantada quanto Saul com o sucedido.

Mais uma vez temos um paralelismo entre a realidade e a ficção notável. A crise Síria está bem presente na nossa atualidade, mas isto não significa que Obama e os seus queiram mesmo depor Al-Assad. Aliás, eu considero que seria mais uma vez uma decisão catastrófica, senão vejamos como ficou o Iraque depois da morte de Saddam Hussein. E as intenções de querer implementar um regime democrático não passam de pura hipocrisia.

Olhando agora para o caso dos documentos roubados à CIA, já se estava mesmo a ver aonde isto iria parar. A pen que Numan entregou à jornalista foi trocada pelo seu amigo, este que queria ganhar dinheiro fácil com a situação. Ele foi vender os documentos aos russos, mas ingenuamente pensou que poderia sair de tudo isto com vida. A ganância acabou por lhe custar a vida. Agora juntam-se ainda os russos à equação que se vai desenvolvendo para esta temporada, restando agora saber o que irão eles fazer com tamanho conhecimento. Estaremos à porta de uma terceira Guerra Mundial?

Este episódio acabou por ser um pouco lento, não avançando tanto quanto isso nas narrativas. Claro que tivemos alguns desenvolvimentos bastante interessantes, e novas questões, mas nada de extraordinário. O mais interessante será mesmo a caça a Allison que Carrie e Quinn certamente irão montar e como Saul reagirá quando souber de toda a verdade.

Carlos Oliveira

Publicidade

Populares

calendário estreias posters junho 2024

Clãs da Galiza Clanes Netflix

Recomendamos