Classificação

7
Interpretação
7.5
Argumento
7
Realização
6.5
Banda Sonora

As expectativas para a primeira temporada de Gotham foram certamente elevadas: uma série com a presença dos heróis e vilões mais famosos do universo da DC Comics e um estilo visual que traz à lembrança o clássico do cinema Batman (1989) não só atrai fãs de banda desenhada, mas também adeptos à nova onda de séries de superheróis. Entretanto, quando chegou a season finale os fãs queriam mais. E com razão: enquanto que a mitologia do Batman na BD é complexa, vasta e rica em personagens fascinantes – quer herói ou vilão –, a primeira temporada de Gotham acabou por ser muitas vezes enfadonha e desorganizada a nível do enredo, o desenvolvimento de personagens e arcos de história.

Na minha opinião, as melhores partes de Gotham (que acabaram por me transformar numa fã da série) são o Cobblepot, Alfred e Fish Mooney, sendo que a última acabou por desaparecer na season finale.

Mas será que Gotham conseguirá corrigir os seus erros? Com base no primeiro episódio, tenho a sensação de que sim! Enquanto que o foco da primeira parte da série foi a história de Jim Gordon, que acabou por se cruzar com a do jovem Bruce Wayne, a segunda temporada parece concentrar-se na ascensão dos vilões, particularmente na do recém-chegado Galavan, mas também em Jerome e Cobblepot.

“Damned if you do” começa com a última cena da temporada anterior: Bruce encontra uma cave secreta construída pelo pai protegida apenas por uma palavra-passe. Bruce tenta todas as combinações possíveis, sem sucesso. Um mês depois, Jim, que agora trabalha como polícia de trânsito, detém um marginal com um potencial problema mental que se intitula Zaardon, mas por ter empurrado um colega, o comissário Loeb despede-o. Jim promete derrubar Loeb e eventualmente consegue cumprir a promessa, mas a custo de um homicídio e um favor do Pinguim. Apesar das ações de Gordon não serem fiéis ao conteúdo original, gostei da direção para onde estão a levar o personagem, tornando-o mais real e ambíguo.

A minha parte favorita foi a do Arkham Asylum, em que seis dos seus reclusos são resgatados pela irmã de Galavan, para serem recrutados para um grupo de vilões. As interpretações de Jerome e Barbara são para mim as mais divertidas do episódio. Nota-se que Gotham começa a ser menos séria, o que é bom, visto que a maior parte dos personagens são excêntricos e parecem sair de um filme dos anos 40.

Nesta temporada, Barbara irá ser mais do que um acessório de Jim e já correm rumores de que irá ser uma vilã proeminente na cidade de Gotham. Espero que os rumores se tornem realidade! A melhor coisa que os escritores da série têm a fazer é apostar  nos vilões.

Gotham tem muita atenção nas opiniões dos fãs e isto é provado pelo retorno de Jerome, a transformação de Barbara e pela introdução da Batcave. Algo é certo: o melhor ainda está por vir!

Cátia Neto