Sean Bean volta ao pequeno ecrã como um agente secreto sofrendo de uma crise de identidade, e desta vez, espero que a campanha #DontkillSeanBean resulte!

Legends, protagonizado por Martin Odum, um agente de um departamento especial da FBI que é considerado o melhor espião da agência, mas mentalmente instável. A premissa da série pode não ser das mais inovadoras; uma série policial sobre um profissional que duela com problemas mentais já foi vista várias vezes, e o género tem sucesso em várias ocasiões (exemplos são: 24, Homeland, Perception, etc.). Felizmente, Legends não é excepção.

No piloto, Martin Odum (interpretado por Sean Bean) trabalha disfarçado num grupo terrorista em Virginia como o anti-social Lincoln Dittmann, um homem com um problema de gaguez e autoconfiança, mas com grande vontade de conhecer o ‘Founding Father’ , chefe do grupo e um dos alvos principais do FBI. O seu disfarce é desvendado quando uma equipa da polícia chega, e apreende o campo de treino onde se situavam.

Por não ter adquirido ao FBI informações sobre o grupo a tempo, Martin volta à agência. Aí são introduzidas as personagens de Ali Larter (Heroes) e Steve Harris (The Practice): Crystal, a típica agente rigorosa, mas sensual e competente e o director do departamento da FBI Nelson, que ignora o facto de que Martin foi diagnosticado com perturbações da personalidade (o que é muito irresponsável da sua parte!) pela simples razão que não há ninguém melhor do que ele em operações secretas.

O caso do ‘Founding Father’ continua, e a equipa constituída, entre outros, por Martin, Crystal e a novata Maggie procuram maneiras de capturar o terrorista, e com a ajuda de Martin, infiltrar no seu grupo.

Os primeiros sinais dos problemas mentais sofridos por Martin aparecem quando, depois de voltar após seis meses de trabalho à paisana, ele visita a ex-mulher e o filho, e ao entregar um cheque de pensão assina como a sua última personalidade fictícia (na série, denominada ‘legend’) Lincoln Dittmann; além disso, mais tarde no episódio quando Martin entra numa espécie de transe e inconscientemente transforma-se no Lincoln.

Até aqui gostei muito da história, das personagens e principalmente de Martin Odum, que mostrou-se ser a personagem implacável, mas que nos prende à televisão e tenta lidar com os seus próprios demónios. Mas, quando pensei que estava a ver a versão de Sean Bean de ‘24’, a série tornou-se na versão de Sean Bean de ‘Bourne’.

Who do you think you are? Do you really think you’re Martin Odum? There is no Martin Odum! He’s a legend. Everything about him is fake. Trust no one. No one!”  (Quem pensa que é? Acha mesmo que é o Martin Odum? Martin Odum não existe! Ele é uma lenda. Tudo sobre ele é falso. Não confie em ninguém! Ninguém!)

Um misterioso homem que ao longo do episódio tem vindo a seguir Martin o avisa sobre a sua identidade, e se ele realmente é Martin Odum. As personalidades criadas por Martin agora parecem misturar-se uma com a outra de uma maneira desordenada e suspeita. Por isso, Martin tenta descobrir quem é o homem misterioso com a ajuda de um dos colegas, mas antes de obter uma resposta, o colega e o homem misterioso é morto, e a sua sanidade é posta à prova.

Confesso que a série não é original e não tenta fugir aos clichés presentes em dramas policiais, mas o que salva a série é a presença de Sean Bean e o mistério que revolve à volta da sua personagem. Em sume, recomendo Legends a qualquer fã de Sean Bean e/ou fãs de séries policiais (não vão ficar desapontados!).

7.5/10

Cátia Neto