Game of Thrones – 04×06 – The Laws of Gods and Men
| 19 Mai, 2014

[Contém spoilers]

Varys: “When I see what desire does to people… What it has done for this country… I’m glad to have no part in it”.

Braavos

Stannis continua meio perdido dentro da história. Ao tempo que ando à espera que ele rume à Muralha de uma vez por todas e teima em não o fazer. Desta vez, saiu do covil que é Dragonstone e rumou à cidade que eu ansiava ver há muito tempo, Braavos. A cidade está espectacular e os efeitos especiais estão fabulosos.

Mais uma vez, se não fosse Ser Davos, Stannis não tinha conseguido nem uma moeda de ouro do Iron Bank. A lealdade (que foi o ponto comum de todas as histórias) dele fez com que o empréstimo fosse concedido (Olá, Mycroft!) após a desistência de Stannis. Veremos o que acontece agora a Stannis e companhia.

Meereen

Já Daenerys enfrenta as consequência de ter mandado chacinar sem piedade todos os mestres de Meereen. Não é assim que se conquista os súbditos e a prova disso foi a visita de Hizdahr zo Loraq. Dany tem mesmo que ouvir os seus conselheiros se quer sem bem sucedida no papel de rainha, seja de Meereen ou Westeros e aprender que, no que toca a justiça nada é preto e branco e ela tem-se recusado a ver isso.

Hizdahr zo Loraq: “Is it justice to answer one crime with another?”

Dreadfort

Yara chegou finalmente a Dreadfort, decidida a resgatar o irmão. O que ela não sabia era que o seu irmão Theon já não existia. E não era por estar morto. O destino de Theon foi muito do que a morte e a prova disso foi a sua recusa em ir-se embora com a irmã, pensando tratar-se de um teste de Ramsay.

Yara: “My brother is dead”.

Yara apareceu um bocado do nada na história mas o final compensou…

A parte mais interessante foi o pedido de Ramsay a Reek enquanto lhe dava o seu ‘prémio’ por ser um bom rapaz. Ramsay quer que Reek se disfarce de, nada mais nada menos que… Theon Greyjoy.

King’s Landing

Mais uma vez, é em King’s Landing que ficou reservada a parte mais interessante e emocionante do episódio. Os maiores acontecimentos acontecem normalmente na capital e este sexto episódio não foi excepção.

O dia do julgamento de Tyrion chegou por fim e Jaime já sabe que aquilo não vai correr nada bem para o irmão. Sabendo que a decisão está toda nas mãos do pai, decide assumir o seu lugar em Casterly Rock em troca da ida do irmão para a Patrulha da Noite. O sorriso de Tywin mostrou que era exactamente daquilo que ele estava à espera.

Posto isto, Jaime estava um pouco mais descansado acerca do destino de Tyrion.

O julgamento foi aquilo que já estávamos à espera. Histórias mal contadas e verdades distorcidas. Cersei arranjou tudo para que Tyrion parecesse culpado e conseguiu. Não fiquei surpreendida ao ver os testemunhos de Master Pycelle (de todo) nem dos restantes. Nem de Varys. A ‘Aranha’ já mostrou que a sua lealmente incide sobre os mais fortes. Pelo menos é o que aparenta. Tudo isto foi apimentado com comentários muito próprios de Tyrion e foi bom ver que essa característica dele ainda está presente apesar desta situação menos favorável.

Quando tudo parecia mais ou menos calmo (apesar de tudo, claro), chega a única pessoa que era capaz de perturbar verdadeiramente Tyrion. Shae. Tyrion fez tudo por ela e até a afastou de King’s Landing para sua segurança.

Se no livro esta atitude de Shae não foi chocante, na série é outra história. É certo que Tyrion a magoou, mas ao ponto de ela ter mentido e humilhado o ex-amante? A expressão de Tyrion ao ouvi-la foi de um homem totalmente derrotado e arrasado. E ninguém o pode culpar pelo que disse a seguir…

Tyrion: “I’m guilty for being a dwarf”.

A traição da mulher que amava fez com Tyrion explodisse. Realmente as pessoas da capital têm a memória muito curta. Enquanto Joffrey (o nobre rapaz que Pycelle descreveu) se escondia atrás de Cersei, Tyrion salvou a cidade inteira do ataque de Stannis. Se tivesse sido outra pessoa qualquer a conquistar tal façanha seria aplaudido por todas mas ele é, e sempre foi, enxovalhado devido a uma situação que o próprio não tem qualquer controlo. Ser anão. Repudiado pela irmã e pelo pai, Tyrion Lannister é a vergonha da família de Westeros. Este julgamento foi a melhor maneira que eles arranjaram de se livrar do empecilho que Tyrion é para os Lannister.

Tyrion: “I will not give my life for Joffrey’s murder and I know I’ll get no justice here. So I will let the gods decide my fate. I demand a trial by combat”.

As palavras de Tyrion foram seguidas pelas expressões das várias personagens e, juntamente com música de fundo tornaram o final quase tão perfeito como o do assassinato do próprio Joffrey.

Se eles seguirem a história de Tyrion como nos livros isto ainda vai dar pano para mangas! E eu estarei coladíssima ao ecrã para assistir.

Nota: 9/10

Maria Sofia Santos

Publicidade

Populares

a league of their own

Recomendamos