Continuamos a trazer curiosidades sobre as tuas séries favoritas! Descobre algumas sobre American Gods:

1. American Gods é baseada num livro com o mesmo nome, da autoria do escritor inglês Neil Gaiman, publicado em 2001.

2. Inicialmente, a série recebeu luz verde na HBO e tinha Tom Hanks como produtor. No entanto, o projeto acabou por ser abandonado pelo canal. O então presidente de programação da HBO, Michael Lombardo, revelou que essa decisão foi tomada por dificuldades em conseguirem um bom guião. Tentaram “três argumentistas diferentes”, colocaram “nisso muito esforço”, mas “há coisas que simplesmente não acontecem”. Cerca de três anos mais tarde, American Gods encontrou na Starz a sua casa.

3. Nicholas Cage, o conhecido ator de Hollywood, foi abordado para dar vida a Mr. Wednesday, mas recusou-o, apesar de ter gostado do guião. O motivo para essa tomada de decisão parece ter-se prendido com o facto de Cage não se querer comprometer com uma série televisiva.

4. A história à volta de Laura, a mulher de Shadow Moon, não existia no livro e foi criada para a série com a intenção de desenvolver mais a personagem principal feminina. Aliás, quando o papel foi oferecido a Emily Browning, a atriz recebeu imediatamente o guião do episódio que se centraria na sua personagem.

5. Bryan Fuller, um dos criadores da série, convidou Gillian Anderson para o papel de Media, uma das Novas Deusas, depois de a ter visto representar na peça A Streetcar Named Desire, em Brooklyn, Nova Iorque. Fuller assistiu à sua última performance e dois dias depois do fim da peça, Anderson enfiou-se num avião para Toronto para começar as filmagens de American Gods.

6. O personagem Vulcan, interpretado por Corbin Bernsen, não fazia parte do material de origem e foi uma nova adição à série. O personagem é baseado no Deus romano do fogo, da forja e da metalurgia, mas a inspiração não veio diretamente da mitologia antiga, mas sim de uma história que Gaiman contou aos showrunners, Bryan Fuller e Michael Green. Numa viagem por Birmingham, no Alabama, o autor viu uma estátua de Vulcano na cordilheira de Red Mountain. Durante o auge de Birmingham enquanto cidade siderúrgica, havia uma fábrica de aço com a política de que ficava mais barato compensar as famílias dos trabalhadores mortos durante o trabalho do que garantir a sua segurança previamente. A tocha na mão de Vulcano acendia-se com uma de três cores, cada uma delas representando uma coisa diferente: o verde significava que não houvera operários feridos nas 24 horas anteriores; o branco indicava ferimentos ligeiros e o vermelho assinalava que tinha havido alguma morte. Para Gaiman, essa política é “a mais moderna definição de sacrifício que pode haver”.

7. Originalmente, a 1.ª temporada ia ser constituída por dez partes, mas depois de ver os cortes que foram feitos nos episódios 3 e 4, os produtores decidiram juntar os dois num único episódio e usar como final de temporada o cliffhanger que era suposto ser apresentado no penúltimo episódio. Acabou também por haver partes da inicial season finale que foram usadas ao longo de toda a temporada.