Diário de 7 dias de experiência na Apple TV+
| 15 Fev, 2020

Publicidade

Hoje em dia todos querem ter a sua plataforma de streaming. Está na moda, é bom, atrai clientes e a Apple não podia deixar passar ao lado esta oportunidade de mercado. É neste seguimento que surge a Apple TV+, o serviço de streaming da empresa. Depois de alguns anos à espera, a Apple TV+ chegou finalmente no final do ano passado e entrou logo no mercado português, ao mesmo tempo que foi disponibilizada um pouco por todo o mundo.

Com o custo de 4,99 euros por mês, a Apple TV+ chega com um cartaz não muito grande, mas com oferta disponível que é, no mínimo, interessante. Decidi aproveitar a compra por parte da minha irmã de um iPhone, que vem com a oferta de um ano de serviço, para testar este novo player do streaming.

Com o objetivo de ser uma espécie de HBO que prima mais pela qualidade do conteúdo do que a Netflix, onde há um claro destaque para a quantidade, o serviço peca em muitos aspetos.

Em termos da sua disponibilidade em aparelhos eletrónicos, a subscrição torna-se complicada para quem não possua um aparelho da Apple. Não está disponível em Android e a quantidade de Smart Tvs onde está disponível é bastante reduzida. Só alguns modelos de 2018 e todos de 2019 da Samsung e LG é que têm a aplicação. A minha televisão é de 2017, o que não é propriamente antiga, e não tem disponível a aplicação. Acho uma situação inaceitável e espero que se resolva brevemente. Ainda assim, tentei abrir no browser da televisão e não funciona. A experiência não começou da melhor maneira.

Decidi, então, experimentar no iPad. A aplicação é visualmente interessante – menos do que a da Netflix, mas melhor do que a aplicação da HBO. É clean e percebe-se quais os conteúdos disponíveis. Porém, achei confuso juntarem dois serviços numa só aplicação. Para quem não percebe muito deste meio pode perfeitamente confundir a aplicação Apple TV, que permite alugar e comprar filmes como se fazia antes no iTunes, com a Apple TV+, o verdadeiro serviço de streaming. Falando concretamente da experiência em iPad, as legendas muitas vezes não funcionam e tenho de as colocar manualmente. Nada apelativo, portanto. E as transferências? Também não funcionam. Não consegui descarregar um único episódio. Falta um serviço de apoio ao cliente nesta situação. Se tiver algum problema com a Netflix ou HBO, sei que tenho uma linha de apoio para recorrer para resolver os problemas. E com a Apple TV+? Não sei.

A nível de computadores, decidi experimentar no meu, que não é um Macbook. Assim, não havia aplicação disponível na loja do Windows 10, mas permitia-me ver no browser do Chrome. Este é o formato onde o serviço é realmente pior. Fazer login é confuso e não está tão claro quanto devia. Ao ver um episódio, constatei que ele falha algumas vezes e nessas falhas não consegue fazer o refresh sozinho. É preciso recarregar a página manualmente. Não é uma experiência muito agradável.

Em geral, acho que o serviço tinha todo o potencial para se tornar um bom complemento à Netflix ou mesmo uma alternativa à HBO. No entanto, falta-lhe muito conteúdo. De destacar a série The Morning Show, que entrou no meu top de preferidas, e é um dos principais cabeças de cartaz do serviço. Em jeito de recomendação, se queres experimentar o serviço, aproveita os sete dias grátis para veres uma série ou duas que desejas ver deste catálogo ou aproveita a oferta de um ano na compra de um aparelho Apple, porque Não vale de todo os 4,99 euros por mês.

 

Diogo Alvo

Publicidade

Populares

calendário estreias posters junho 2024

those about to die

Recomendamos