Classificação

8
Interpretaçãp
8
Argumento
8
Realização
8.5
Banda Sonora

[esta review contém spoilers]

Oh, meu Deus… é tudo o que consigo dizer deste Butcher, Baker, Candlestick Maker de The Boys. Não há dúvida que a coisa está a aquecer e os produtores deixaram o melhor mesmo para o fim numa 2.ª temporada meio morna.

O congresso finalmente conseguiu arranjar provas e testemunhas suficiente para colocar a Vought diante do congresso. Parece que a brincadeira em Sage Grove deu frutos e o gangue só tinha de arranjar o antigo diretor científico da Vought para falar e manter Lamplighter na linha (e vivo) até à audiência. No entanto, claro que as coisas nunca são fáceis e claro que os planos deram para o torto. Só não sabia que ia tudo ficar tão mau!

Annie acaba por ser capturada pela Vought, que entretanto descobre a sua traição. Obviamente, Hughie é incapaz de abandoná-la. A relação entre eles é, sem dúvida, o ponto alto da série (isso e as expressões faciais de Hughie, claro). A química é palpável e vê-se que, independentemente do rumo que a relação deles possa tomar, há um sentimento genuíno entre eles. Numa série tão sangrenta, violenta e fria, é uma espécie de conforto de ver Annie e Hughie juntos.

Portanto, Hughie arrasta Lamplighter do sofá (e da fantástica pornografia de super-heróis!) para entrarem no edifício da Vought e salvarem Starlight, que, no fundo, é a maior vantagem que os boys têm contra os super-heróis porque ela tem, bom… poderes, não é?

A missão de salvamento de Annie acaba por ser bem sucedida, apesar de Lamplighter acabar por cometer suicídio. A sério que ele tinha assim tanto medo do que a Vought lhe poderia fazer? Tanto medo que preferiu matar-se? Honestamente, acho que só serviu para piorar a situação, a sua morte não fez assim tanto sentido. Ele queria redimir-se pelo que fez aos netos de Mallory… Mas pronto, enfim.

Honestamente, ainda não consegui entender que caminho querem dar a Maeve. Ela parece ser contra a Vought e é realmente boa pessoa. Para além de Starlight, Maeve é a única d’Os Sete que tem moral e valores. O resto é tudo lixo, de uma maneira ou de outra. Agora expliquem-me porque é que ela escolhe ficar na empresa quando Annie lhe pede para abandonar aquela vida com ela? Será que Maeve está tão habituada aos luxos daquela vida fácil que nada a faz ir embora? A namorada deixou-a, não parece que tenha amigos, a relação com a família não parece ser a melhor… É Maeve tão fraca que pensa “não posso combatê-los, então junto-me a eles”?

Homelander e Stormfront continuam a fazer estragos por onde quer que passem. Eles são tão detestáveis! Não os suporto mesmo, nem à maneira como levam tudo e todos à frente sem se importarem ou pensarem duas vezes. E eles são a explicação de como Donald Trump e Jair Bolsonaro estão no poder. Dizem aquilo que as pessoas querem ouvir: incentivam o medo, o ódio, a desconfiança… Desta vez, a vítima foi Ryan.

Claro que já se sabia que ainda ia acontecer alguma coisa com Becca e o filho. E com Stormfront a manipular Homelander como quer e bem lhe apetece, era uma questão de tempo até Ryan ser a vítima. É o problema quando se tem telhados de vidro e Becca estava a viver no limite, a mentir ao filho. Agora que Homelander ganhou a confiança do filho, um rapazinho que nasceu com poderes, o que irá acontecer? Qual é o plano agora? Mostrar ao mundo que os super-heróis não são apenas feitos de Compound V?

Fiquei genuinamente contente por Frenchie estar cada vez mais próximo de Kimiko, que, durante uma vigia, aceitou por fim ensinar-lhe a sua língua gestual. Fiquei também feliz por Kimiko gostar de Annie. Também só faltava termos ódio, sem razão nenhuma, entre mulheres na série.

Então, no dia do julgamento e depois de Butcher ter conseguido que Jonah Volgelbaum (o homem que criou Homelander) testemunhasse, tudo correu mal. Digo que correu mal porque começaram a explodir cabeças da mesma maneira de Raynor. Do nada, as cabeças do lado da Vought e dos boys explodiram. Honestamente, não sei o que foi melhor. A reação de Ashley de WTF, a confusão de Homelander, o choque do gangue ou Deep a mexer na cabeça para certificar-se que não explodia também. Será que foi a rapariga de Sage Grove que escapou? E se foi ela, está a trabalhar para quem? Não sei porquê, mas acho que aquela Igreja manhosa está por detrás disto.

O que acharam deste Butcher, Baker, Candlestick Maker de The Boys? Vem aí um bom final de temporada ou estavam à espera de mais? Eu acho que esta 2.ª temporada teve as suas falhas, mas o factor surpresa continua lá e a qualidade não baixou muito.

Maria Sofia Santos