Love, Victor – Review da 2.ª Temporada
| 15 Jun, 2021

Publicidade

[Contém spoilers]

Temporada: 2

Número de Episódios: 10

Love, Victor voltou com uma 2.ª temporada mais amadurecida do que a anterior. E, diga-se, muito necessária também. Depois de uma temporada a tentar perceber a sua sexualidade e a tomar a decisão de contar à sua família, agora vemos Victor a lidar com o que advém da sua confissão e, adicionalmente, vemos como ele se torna cada vez mais confiante e aberto em relação a ser gay. Acompanhamos ainda a reação dos seus colegas de escola e dos seus amigos. Foi, portanto, mais uma fase ultrapassada pelo nosso protagonista e parece que no final tudo acaba bem a nível da aceitação do mesmo.

Considerei todo o processo muito relevante, pois embora não tenha sido chocante, também não foi um mar de rosas e permitiu introduzir questões e reflexões muito relevantes como, por exemplo, o papel que a religião pode ter em ostracizar ou motivar pessoas da comunidade LGBTQ+. Adicionalmente, o facto de tocarem na interseccionalidade, ao compararem como os pais de Benji o aceitam comparativamente à mãe de Victor, foi bastante interessante e permitiu perspetivar tudo sem tirar culpa à personagem, mas sem a demonizar totalmente, assim como às reações de Victor.

Quanto ao pai de Victor, acabei por achar que andou meio perdido na temporada. O facto de ir ao grupo e ter conseguido abrir-se emocionalmente foi bom para o seu desenvolvimento, mas todo o início e fim daquele relacionamento extra foram só estranhos.

Toda a história de Felix e da sua mãe foi extremamente importante e achei que ambos, Anthony Turpel e Betsy Brandt, foram atores fantásticos. A nível amoroso, embora eu sentisse algo entre ele e Pilar, também senti que Lake não foi assim tão má namorada para Felix. Algo que ficou por desenvolver foram os problemas que Lake tem com o seu corpo, provocados pela sua mãe. Seria bom voltarmos ao tópico na próxima temporada e, claro, ao seu possível próximo romance com Lucy.

Mia também andou bem perdida amorosamente e a nível familiar nesta temporada. De todas as personagens julgo que foi a que teve o desfecho mais previsível, quer ficando com Andrew, quer indo ter com a sua mãe.

No final temos a culminação amorosa entre os pais de Victor, entre Felix e Pilar e relativamente às relações e indecisões de Victor. Uma primeira relação enquanto adolescente não é fácil e quando se conhece alguém que parece compreender-nos totalmente, mais difícil fica. Não que ache que um faz mais sentido do que o outro, mas como Felix escolheu Pilar, acho que Victor vai escolher Benji novamente. Teremos de aguardar para ver.

Melhor episódio:

Episódio 4 – The Sex CabinDe entre os dez episódios, este foi o que considerei mais engraçado – nada como casais que não sabem comunicar entre si e, por isso, se colocam em situações hilariantes.

Personagem de destaque:

Dawn Westen (Betsy Brandt): Embora não tenha tido dos papéis mais presentes no ecrã, a prestação da atriz e a narrativa dedicada a doenças mentais deixaram-me emocionada e surpreendida visto que Love, Victor, embora fale de assuntos sérios, costuma ser bastante “leve”. Neste tema, arriscou um pouco mais.

Ana Leandro

Publicidade

Populares

calendário estreias posters junho 2024

Clãs da Galiza Clanes Netflix

Recomendamos