Classificação

6
Interpretação
6.5
Argumento
7
Realização
7.5
Banda Sonora

[Pode conter ligeiros spoilers]

Temporada: 1

Número de Episódios: 3

Estreou recentemente na Netflix a 1.ª temporada da série sul-africana How to Ruin Christmas: The Wedding, que acompanha especialmente duas famílias, os Sello e os Twala, durante a preparação daquilo que parecia ser o casamento perfeito, não fossem todos os problemas internos de cada uma das famílias, e especialmente Tumi (Busi Lurayi), a irmã da noiva. Após passar anos separada da família, esta regressa para o casamento, mas apesar dos seus esforços, acaba por o arruinar completamente.

Devo-vos desde já confessar que não sabia absolutamente nada sobre a série a não ser o que está no título, dado que, como já referi em reviews anteriores, eu não tenho por hábito ver trailers ou ler sinopses. Portanto, muitas vezes acabo por escolher as séries, quando não as conheço, com base naquilo que suponho do título e isso já me valeu umas quantas surpresas, tanto positivas, como negativas. Posto isto, estava à espera que esta fosse daquelas típicas séries natalícias fofas e clichés, cheias de neve e luzes de natal, e com uma banda sonora que relembra a cada minuto em que época estamos. Well, parece que eu não poderia estar mais enganada. Se tivesse visto o trailer, acredito que já não iria ter essa ideia, mas ainda bem que não o fiz, pois acabei por me surpreender bastante com esta 1.ª temporada de How to Ruin Christmas: The Wedding.

Não digo que não iria gostar de ver uma série tal e qual como descrevi, tanto é que estava totalmente pronta para isso e até era algo que queria ver. No entanto, é bom ver uma série em redor do Natal que não utiliza esses elementos característicos. Isto é, a série acaba por ter os ingredientes ideais para esta altura do ano, principalmente os clichés, mas sem recorrer àquilo que estamos habituados a ver. Se querem que vos seja sincera, acredito que a referência ao Natal no título foi com o intuito de levar mais pessoas a ver e não tanto de fazer efetivamente uma série em redor desta época. Tanto é que, apesar do nome, daria muito bem para ver How to Ruin Christmas: The Wedding em qualquer outra altura do ano, porque a referência ao Natal é quase nenhuma. Mas o que é certo é que nesta época, especialmente neste mês, as pessoas estão mais suscetíveis a ver séries de Natal, logo seria de esperar que ao colocarem Christmas no título iriam atrair mais espectadores.

Contudo, também pode ter o efeito contrário. Pessoas que não se interessam por séries natalícias podem acabar por não ver How to Ruin Christmas: The Wedding, o que é uma pena, porque vale a pena. Se não for tanto pela história, que mesmo que me tenha surpreendido em alguns momentos, noutros deu-me a sensação que já tinha visto aquilo antes, dado os clichés; que seja pela diversidade, a cinematografia, o guarda-roupa, os costumes, a língua e a banda sonora.

Já para não falar que esta 1.ª temporada tem somente três episódios e os cliffhangers, especialmente logo no primeiro, acabam por nos levar a querer ver o episódio seguinte. Assim, quando este termina acabamos por ver o segundo e quando terminamos este, como já só falta um, acabamos por ver o seguinte também. Os episódios também não são muito longos, o que faz com que se consiga ver num abrir e fechar de olhos.

Resta-me agora esperar para saber se esta 1.ª temporada de How to Ruin Christmas: The Wedding será única ou se haverá pelo menos mais uma, pois aquele final deixou essa questão no ar. Eu sinceramente espero que sim porque fiquei curiosa em saber, mas não sei se é razão o suficiente para uma nova temporada, mesmo que também tenha poucos episódios. Se houver, tenho a certeza absoluta que a vou ver.

Episódio de Destaque:

Can’t a Girl Catch a Break (Episódio 3) – Achei este episódio bastante fofo, ainda que ligeiramente cliché e até mesmo previsível. Contudo, não consegui ficar indiferente ao discurso de Tumi, não só pelos acontecimentos dos episódios anteriores, mas também porque acaba por nos tocar. Mesmo que não achemos grande piada a discursos demasiado lamechas, ainda para mais que falem de amor, considero que seja impossível não ficar ligeiramente emocionado com o que Tumi diz. Para além disso, achei bastante bonita a forma como apresentaram os costumes, particularmente neste episódio, sendo que indiscutivelmente fazem a série diferenciar-se das demais.

Personagem de Destaque:

Tumi Sello – Mesmo que muitas vezes tivesse vontade de dar um enorme raspanete a Tumi, a verdade é que ela acabou por se destacar, nem que fosse devido a todas as alhadas em que ela se metia. Além disso, as atitudes dela no último episódio, e particularmente o discurso que fez, ajudaram ainda mais a que a minha escolha recaísse nela, ainda que tivesse sentido dificuldade em escolher somente uma personagem, pois todos acabam por se destacar, quer pela positiva, quer pela negativa.

Cármen Silva