Classificação

7.5
Interpretação
6.5
Argumento
7
Realização
7
Banda Sonora

Temporada: 2

Número de Episódios: 10

[Contém spoilers!]

You chegou aos pequenos ecrãs e aos nossos corações de forma inesperada. O enredo da primeira temporada parecia prometer algo diferente daquilo que se costuma ver e a verdade é que cumpriu esse objetivo. Ainda que com um plot bastante óbvio e básico, a série conseguiu viciar o espectador, sendo renovada para uma 2.ª temporada que, bem… trouxe quase o mesmo que a sua predecessora, mas com um pequeno toque diferente que tornou ainda mais impossível não clicar para o próximo e o próximo e o próximo episódio até se chegar ao fim.

A 1.ª temporada teve um fator elevado de entertaining. Vi tudo de uma vez e embrenhei-me a fundo na história. Mais do que pelo enredo, a série inicialmente chamou-me a atenção pelo protagonista, Penn Badgley, que acompanhei em Gossip Girl, e também pela participação de Shay Mitchell, de Pretty Little Liars. Especialmente por esta tinha muita curiosidade em vê-la noutro registo que não a da ensonsa Emily e, apesar de não ter ficado surpreendida, não desgostei de Peach Salinger. Relativamente a Badgley, os paralelismos com a série que lhe deu fama foram impossíveis de fazer: Nova Iorque como o pano de fundo e a personagem deste a fazer stalking através das redes sociais. Pensando bem, You até poderia ser um spin-off de Gossip Girl no qual Dan Humphrey se torna num serial killer maníaco.

Esta é uma daquelas série que, por fora, tem um visual bonito, um elenco interessante, trailers que aguçam a curiosidade e uma sinopse que nos deixa com vontade de espreitar o primeiro episódio. Mas se formos a analisar com um pouco mais de profundidade, não tem nada de extraordinário. Um rapaz com um patologia mental grave devido a abandonment issues persegue uma e outra vez raparigas que se encaixem no seu perfil e disfarça os crimes com a desculpa do amor. Tudo é por amor. Invade as suas redes sociais e a dos amigos e familiares por amor, segue-a para todo o lado por amor, comete crimes por amor e, em última instância, mata-a por amor. Quando uma nova miragem lhe passa pelos olhos percebe magicamente que nunca esteve apaixonado nem que nunca soube o que era o verdadeiro amor até conhecer a rapariga do momento. E é só repetir esta história duas ou três vezes e aqui temos o plot de You.

Não me interpretem mal. Não estou com isto a dizer que a série não tem qualidade e que não gostei do que vi. Estou simplesmente a dizer que não é uma série profunda, que nos faça pensar e refletir e que deixe um impacto. É apenas uma série. Daquelas que vemos para passar um bom bocado e das quais gostamos exatamente por essa razão. Numa altura em que tudo parece estar mal no mundo precisamos de um escape e You exerce muito bem esse trabalho. São 10 episódios que só conseguimos ver de rajada. Não dá para haver intervalos. “O que vai acontecer a seguir?” é a questão pertinente no final de cada episódio. E quando se chega ao fim temos um misto de emoções, mas já lá vou.

Entre a 1.ª e a 2.ª temporada pode parecer que muita coisa mudou, mas na realidade não. A cidade é outra e durante alguns episódios pensamos que tudo o resto se mantém. Ellie é uma nova versão de Paco e Will de Benji. Até a jaula viajou com ele para Los Angeles (gostava de saber como). Mas aos poucos vamos percebendo que algo de diferente se está a passar. Esta Love não tem nada a ver com Beck e as dúvidas começam a instalar-se. Depois entra o fator Candace, que não adiciona assim tanto à história como estava à espera. Pelo menos não antes da parte em que morre. Aí sim é o momento em que se confirmam as suspeitas.

Este Joe Goldberg é um caso de perplexão para mim. Por um lado, deveria estar a desejar que ele fosse apanhado cada vez que faz alguma coisa duvidosa. Por outro, não consigo deixar de ficar ansiosa na esperança de que ele se safe. Creio que a personagem foi construída propositadamente assim. Sabemos que o que faz é errado, mas é impossível não torcer por ele. E a grande novidade da temporada recai em Love. Gostei que tivessem optado por uma personagem que não é uma vítima às mãos de um maníaco. Também ela é maníaca e assassina e uma boa match para alguém como Joe. Victoria Pedretti faz um trabalho fantástico na interpretação de Love. Depois de conhecer o seu trabalho pela sua prestação em The Haunting of Hill House fiquei um pouco na dúvida se conseguiria protagonizar uma série tão leve como You dado o seu talento para o terror, mas conseguiu dar vida a Love de forma muito interessante.

Gostei da aparição final de Beck. Foi uma forma de Joe dizer adeus e de passar definitivamente à próxima. Também achei muito bem jogada a pequena adição de Dr. Nick na prisão e a sua conversão total ao cristianismo. Será que é a última vez que o vemos? Talvez não. Gostei que tivéssemos finalmente percebido o passado de Joe e como, claro, justificam os seus problemas psicológicos atuais. Outro ponto positivo foi o vislumbre do que Joe fez a Candace. Como muitos comentaram, Candace executou um move ao estilo Alison DiLaurentis (Pretty Little Liars) ao se desenterrar. Honestamente, esperava mais deste seu reaparecimento. Podiam ter feito muito mais com ela.

E agora o final. Por momentos acho que todos nós acreditamos que Joe conseguiria ter aquilo que tanto desejou: uma família. Ah! Que ingénuos. Juntam-se dois psicopatas e qual é o resultado? Bom não pode ser. Joe fica com a rapariga que tanto queria, tem uma filha a caminho, vive numa boa casa e não tem de se preocupar mais com o seu passado. E viveram felizes para… Ups. Parece que não será para sempre, porque Joe tinha de ganhar uma obsessão por outra rapariga! Confesso que o final da temporada me deixou num misto de emoções. Por um lado, é óbvio que não podiam terminar a história numa nota tão positiva, mas por outro a única coisa que consegui pensar foi “Outra vez?!”. Não sei se quero mais uma temporada com mais do mesmo. E se não for mais do mesmo, de certeza que será com Love a vingar-se ou algo parecido.

You termina a 2.ª temporada deixando no espectador a sensação de que foi uma abordagem muito melhor, mais macabra e negra, do que aquela feita na primeira. A história foi mais interessante e teve mais twists, mas no fundo não passou de mais do mesmo. Gostei do que vi ainda assim. Dá para passar um bom bocado a ver Joe a tentar safar-se de todas as alhadas em que se mete. Se quero ver uma 3.ª temporada baseada novamente em tudo isto que já vimos? Provavelmente não, mas mesmo assim vou ver.

.

Episódio de Destaque:

Episódio 9 – P.I Joe é o episódio em que Joe tenta reconstruir a noite anterior em que Forty o drogou. É neste episódio que ficamos a saber que Love não é inocente e que é bem mais parecida com o seu amado do que pensavamos. Não só matou Delilah como Candace também e isso faz dela a alma gémea de Joe.

Personagem de Destaque:

Love Quinn (Victoria Pedretti) – Joe nós já conhecíamos e já sabíamos do que era capaz. Love surpreende pela sua semelhança ao protagonista. Se pensarmos a fundo, era óbvio que havia algo de errado com ela. Contudo, o objetivo da série não é fazer pensar a fundo e, como tal, o plot twist desta personagem é impactante e faz dela a personagem que mais se destaca nesta temporada.

Beatriz Caetano