Classificação

9.8
Interpretação
9.8
Argumento
9.8
Realização
9.8
Banda Sonora

Temporada: 2

Número de episódios: 8

(Este artigo contém spoilers)

Quem como eu já tinha saudades da Alyssa e do James? É verdade, The End of the F***cking World apanhou-nos de surpresa quando estreou na Netflix em 2018. A série ofereceu um humor negro e uma história cativante cujo final deixou o público colado ao ecrã à espera da 2.ª temporada. James é baleado e tudo indica que o jovem terá morrido dando um fim trágico à fuga destes dois após terem assassinado o professor Clive quando este tentava violar Alyssa.

Pouco mais de um ano depois, toda a gente queria saber o que tinha acontecido aos jovens depois daquele terrível dia na praia, mas é exatamente aí que somos ludibriados pela história quando não nos mostra nada disso no primeiro episódio da 2.ª temporada. Ao invés, somos apresentados a Bonnie, uma estranha e misteriosa mulher que acabara de sair da prisão e procura vingança pela morte do seu namorado que era, nem mais, nem menos, que o professor Clive. Bonnie, brilhantemente interpretada pela atriz Naomi Ackie, é assustadora por si só. O seu jeito aluado de ser já a torna misteriosa e o passado que carrega torna-a em dinamite pronta a explodir. Tudo isto culmina na busca de vingança de Bonnie, que vai atrás de Alyssa, que, por sua vez, refez a sua vida e está prestes a casar com outro rapaz. Isto até que James, que sobreviveu ao tiro, regressa e faz com que estes dois se voltem a juntar na estrada em várias peripécias.

É justo dizer que a 1.ª temporada da série foi marcante! Confesso que tive algum receio de ver a segunda de tanto que tinha gostado da primeira, mas, claro, mal comecei a ver o primeiro episódio fiquei agarrado ao ecrã e não fosse o pouco tempo que tinha à disposição, tinha visto tudo de uma vez. O estilo da série continua lá. Parece algo irreal, mas ao mesmo tempo muito normal. A relação de James e Alyssa é humana e verdadeira. A química dos atores é extraordinária e são eles que dão a estas personagens o toque de Midas que nos faz querer continuar a ver. A imagem continua a ser fantástica com planos deliciosos. O enquadramento das personagens na imagem faz com que elas sejam o centro da atenção do espectador e isso é um truque fantástico de realização para fixar a imagem na nossa cabeça. A música continua a ser deliciosa e a interpretação é fenomenal. Quanto à história, que será sempre a base de tudo, a ideia que me dá é que a primeira e a segunda temporadas são duas peças de puzzle que se encaixam perfeitamente. É justo dizer que os dois primeiros episódios são talvez um pouco introdutórios demais e que demora para voltarmos a ver Alyssa e James nas suas peripécias, mas quando acontece é o suficiente para nos deixar saciados.

Para mim esta série é das melhores produções que saiu ultimamente e prova que é possível em poucos episódios criar uma história com principio, meio e fim onde tudo se encaixa. São 16 episódios que contam a história de Alyssa e James e, para mim, termina por aí. Não é preciso temporada três. A história está contada e ficará nos cânones das grandes obras dos últimos anos.

Melhor Episódio:

Episódio 7 – É difícil escolher o melhor episódio de uma série que funciona como um todo. Ainda assim, o episódio sete é quando Bonnie finalmente revela o seu plano e ameaça Alyssa, ao mesmo tempo que James descobre a verdade sobre Bonnie e regressa para salvar Alyssa. O episódio tem momentos de muita tensão como quando um policia entra no café onde Alyssa está a ser ameaçada por Bonnie e ele pede para comer um doce, gerando uma situação caricata e outro momento onde Bonnie dá dois tiros na cabeça de Alyssa e James. A cena demora e por uns segundos acreditamos que aquilo aconteceu mesmo, até que percebemos que era Bonnie a imaginar. Para mim, por tudo isto, este episódio é, talvez, o mais memorável da temporada.

Personagem de destaque:

Alyssa – Seria injusto não mencionar Alyssa nesta categoria. Principalmente nesta temporada, senti que a história estava muito à volta dela. Nota-se que Alyssa ficou marcada pelos acontecimentos da temporada anterior e isso está a ter grande influência na vida dela. Depois, a atriz Jessica Barden faz um trabalho genial ao dar aquela personalidade única a Alyssa. O humor e frontalidade dela são geniais, fazem-nos rir muitas vezes de situações que nem são assim tanto para rir. Alyssa é o motor de James, também brilhantemente interpretado pelo jovem ator Alex Lawther, e de Bonnie e, por isso, ela é a chave da temporada.

Carlos Real