Classificação

6.5
Interpretação
6
Argumento
7
Realização
7
Banda Sonora

[Não contém spoilers]

Pode dizer-se que sou uma pessoa que vejo bastantes desenhos animados. Não lhes dedico muita atenção, mas tenho muitas vezes a televisão ligada na RTP2 quando está a dar esse tipo de programas. Sinto-me, portanto, qualificada para avaliar Harriet the Spy, a nova série da Apple TV+. Não se trata propriamente de animação para adultos, como The Simpsons ou Rick and Morty, mas também não é para crianças pequenas. Diria que a série é mais adequada para miúdos crescidinhos, mas também para adultos que continuam a gostar de todo o tipo de desenhos animados.

A série é inspirada num livro, da autora Louise Fitzhugh, que já tinha tido direito a uma adaptação, protagonizada por Michelle Trachtenberg. No centro da trama temos então Harriet, uma menina de 11 anos que, como o título indica, é uma espia. Não literalmente, claro, mas ela gosta de andar para aí a investigar e a descobrir coisas. No entanto, aquilo que Harriet quer ser, verdadeiramente, é escritora. Só que, para isso, a miúda acha que para ser boa, tem que saber tudo. Daí precisar de espiar tudo e todos. Tenho alguma dificuldade em entender a lógica disto, até porque Harriet não parece muito empenhada na aprendizagem através do trabalho escolar, mas enfim. Isso sou eu que certamente gosto mais de livros do que de aventuras malucas.

Em termos de animação, a série é bastante gira e apelativa. Não fiquei apaixonada pelo elenco de vozes, talvez porque toda a gente soou bastante normal e não em modo ‘desenhos animados’,  como talvez estivesse à espera, mas não há críticas a apontar neste departamento. Identifiquei ali uma ou outra voz conhecida, mas nem vou dizer quem, para ser surpresa.

Achei foi o episódio demasiado longo. Se 24 minutos pode ser uma duração curta na maioria dos casos, aqui acabou por ser excessiva. Não havia história suficiente neste episódio piloto para preencher aquele tempo. Vou arriscar e dizer que Harriet the Spy poderá encontrar o seu público junto daqueles que gostaram dos livros, mas não sei se terá alcance muito para além disso. Histórias de miúdos que gostam de fazer as suas próprias investigações também há várias, portanto, também não será por aí que a série irá conseguir destacar-se.

Diana Sampaio