Vikings – 04×18 – Revenge
| 22 Jan, 2017

Vikings está a entrar na reta final e este episódio estava a compor-se para ser um preparativo para as épicas batalhas que caracterizam os fins de temporada da série. No entanto, para não ficarmos em suspense absoluto, os últimos 10 minutos, com um ritmo alucinante, anteciparam acontecimentos marcantes que pelo menos eu já não contava ver esta semana.

Mas voltemos ao princípio. Em Kattegat ultimam-se os preparativos para a partida para Inglaterra. O Grande Exército ganha forma, o maior exército que já deixou Kattegat, o que com certeza  originará uma ameaça temível para os seus adversários, mas deixará Kattegat e a sua líder, Lagertha, demasiado desprotegidos. E este exército precisa de um líder. Sendo que Lagertha não viaja junto com a armada, o líder sairia de entre os filhos de Ragnar e ainda que a astúcia e raiva de Ivar pudessem deixá-lo bem posicionado, a experiência, bravura e força de Bjorn fazem dele o líder óbvio e os restantes irmãos, bem como o resto do exército, seguem este líder. E já que falamos de Bjorn, o que dizer desta dupla face que o levam a abraçar a mãe e desejar-lhe o melhor enquanto, nas suas costas, a trai e à sua esposa com a companheira da mãe?

Desta vez o risco da demanda é extremo e vale tudo para agradar a Odin e trazer a sorte para os guerreiros vikings. Desta feita, o sacríficio humano foi a oferta concedida para garantir a boa vontade dos deuses e consequente sorte nesta jornada decisiva. É um Earl, seguro da sua fé, quem se oferece para o derradeiro sacrifício, do qual se orgulha, e que espera que lhe garanta entrada em Valhalla. E o que dizer da combinação erótico-artística, um tanto estranha, mas interessante, da combinação das cenas da morte do sacrificado em conjugação com o prazenteiro pecado de Bjorn e Astrid? Igualmente estranho, mas não inesperado, tendo em conta os hábitos vikings aos quais nos fomos habituando, é a noite de núpcias de Ubbe e Margrethe, na qual Hvitserk marca presença no leito dos recém-casados para ajudar à festa!

E avancemos já para os 10 minutos mais intensos do  episódio. Os vikings chegam a Inglaterra e rapidamente a presunção do Rei Aelle se transforma num medo descomunal face à intensidade bárbara espelhada na cara dos filhos de Ragnar e do seu eterno aliado Floki. Tenho pena de não termos assistido à batalha propriamente dita, mas o resultado foi o esperado e o Rei Aelle ficou entregue aos seus carrascos, que tinham destinado para si um final de sofrimento ao nível do que sofreu Ragnar. A Vingança começou! E com as últimas palavras de Ragnar como som de fundo, o Rei Aelle perdeu a vida e a última imagem que levou deste mundo foi a cara maníaca de Ivar.

André Borrego

Publicidade

Populares

calendário estreias

Recomendamos