Há seis novos nomes no elenco de Cowboy Bebop e são eles: Geoff Stults (The Finder), Tamara Tunie (Law & Order: SVU), Mason Alexander Park (Pizza & Karaoke), Rachel House (Stateless), Ann Truong (Sonnigsburg) e Hoa Xuande (Hungry Ghosts).

Cowboy Bebop é a adaptação em live-action da Netflix de uma série de animação japonesa de culto. A série segue a história de um grupo desorganizado de caçadores de recompensas fugidos dos seus passados, à medida que caçam os criminosos mais perigosos do sistema solar. Até estão dispostos a salvar o mundo – pelo preço certo.

Stults é Chalmers, o epítome de um homem ocidental das leis. É também um antigo detetive de Jet Black (Mustafa Shakir) na Divisão de Homicídios da ISSP (Inter-Solar System Police). Usa um sorriso crónico que te faz querer dar-lhe um murro na cara, algo que também acontece com Jet e isso não se deve apenas ao facto de Chalmers andar a sair com a ex-mulher dele.

Tunie interpreta Ana, a proprietária de um bem-sucedido clube de jazz underground em Marte. E enquanto ela age como uma espécie de mãe substituta de Spike, não há nada de fofo nela. Fria e intensa, Ana definitivamente não é mulher para brincadeiras.

Park dá vida a Gren, braço direito de Ana. Em conjunto, gerem o clube de jazz. Tão capazes com a sua perspicácia como uma glock, tão confiantes num vestido como um fato, são a personificação do século XXII de beleza e sedução.

House é Mao, um capitão da máfia da família dos “Tigres Brancos”. Apesar, ou talvez por causa das suas origens de colarinho azul, Mao é mais astuto, adepto, engenhoso e mortal do que os seus homólogos.

Truong e Xuande são Shin e Lin. Literalmente vestidos para matar, Shin e Lin trabalham como capangas do Sindicato do Crime. Apesar do medo do seu chefe volátil, eles são ferozmente leais a Vicious na sua luta (por razões que ainda não entendemos) para derrubar Spike Spiegel.

Cowboy Bebop é uma coprodução entre a Netflix e a Tomorrow Studios, e tem André Nemec e Jeff Pinkner como produtores executivos e showrunners.