Viola Davis, conhecida pelo seu papel de Annalise Keating em How To Get Away With Murder e vencedora deste edição do Emmy para melhor atriz numa série dramática, irá participar como atriz e produtora executiva num filme biográfico sobre Harriet Tubman, para a HBO.

Em informações que remontam a abril deste ano, é referido que Davis, em conjunto com o seu marido, Julius Tennon, vai ser produtora executiva de um filme baseado no livro de Kate Clifford Larson “Bound for the Promised Land: Harriet Tubman: Portrait of an American Hero“.

Harriet Tubman, nascida em 1820, foi uma mulher que lutou pela liberdade, contra a escravidão e o racismo. Sofreu várias lesões, enquanto escrava, uma das quais uma ferida provocada por um peso de metal na cabeça, que lhe trouxe tonturas, dores de cabeça e crises de hipersónia, que permaneceram durante toda a sua vida. Em 1849, consegue fugir do cativeiro, regressando para salvar a sua família e voltando noutras missões para resgatar outros escravos. É considerada uma abolicionista e, acima de tudo, uma humanitária que conseguiu ajudar centenas de escravos a chegar à liberdade e que, no período após a guerra, lutou pelo direito das mulheres ao voto.

Este projeto está de acordo com causas que dizem muito à atriz. Quem acompanhou a cerimónias dos Emmy Awards, certamente se recorda do discurso de Davis, considerado o mais poderoso da noite. Nele citou a própria Tubman: “Na minha cabeça vejo uma linha e acima dessa linha vejo campos verdes e lindas flores e bonitas mulheres brancas com os braços esticados para mim por cima dessa linha, mas eu não pareço não conseguir chegar lá. Pareço não conseguir ultrapassar essa linha”. Com isto, a atriz referia-se ao facto de as mulheres afro-americanas precisarem de oportunidades para conseguir passar essa “linha” e agradeceu às várias actrizes, escritores e produtores que tornam isso possível.