Classificação

8

Contém SPOILERS!

A tão prometida derradeira luta pela sobrevivência humana, que acabou por não ser assim tão derradeira, aconteceu e chegamos ao final de uma série que nos deu um misto de sentimentos. Sinceramente depois de ter visto este final nem sei se fique contente ou triste por não haverem mais desenvolvimentos.

Depois de Ethan ter revelada toda a verdade para a população de Wayward Pines, e do corte de energia por parte de David Pilcher, era só uma questão de tempo até a cidade ser invadida ferozmente pelos Abis. Grande parte deste episódio foi focado na luta dos habitantes contra os Abis e na missão a que Ethan se auto propôs de salvar o maior numero de pessoas possíveis.

Ethan tentou afirmar-se desde o princípio como um homem de valores, fazendo dele o maior herói que aquela cidade alguma vez possuiu, apesar de no final ele ter sido considerado um traidor. Como tal o seu desfecho era previsível e ele acabou por se sacrificar para que o maior número de pessoas pudessem sobreviver e dar continuidade ao que resta da humanidade.

Este final marca ainda uma reviravolta em duas das principais mentes por detrás da criação de Wayward Pines. De um lado tivemos uma Pam, que desde sempre a vimos como uma das más da fita, a mudar completamente de lado e a proteger o maior número de pessoas de uma morte eminente, nem que isso implicasse matar o seu próprio irmão.

Do lado oposto temos um David Pilcher que supostamente seria o maior herói da história recente da humanidade, mas que no final podemos olhar para ele como o maior vilão desta série. É verdade que ele fez muito ao preservar grande parte da raça humana, mas ao mesmo tempo ele afirma-se um homem de tamanha frieza, capaz de abandonar um grande número de pessoas à sua sorte só porque as coisas não estavam a correr da forma que ele desejaria.

Depois de todos os acontecimentos que vimos ao longo desta série, Pilcher pretendia mais uma vez deixar morrer um grupo de pessoas e acordar um outro, para que tudo pudesse mais uma vez voltar ao princípio. Pam ainda foi colocada em suspensão durante alguns segundos, mas um dos guardas acabou por retirá-la daquele estado para que ela pudesse impedir o irmão de concretizar tamanha monstruosidade.

Mas o final que foi apresentado leva-nos à conclusão de que todos os esforços que estes personagens, principalmente Pam e Ethan, fizeram ao longo destes tempos não valeu de nada. Após três anos e quatro meses de suspensão, Ben é trazido de volta à vida e constata que a cidade voltou exatamente ao mesmo ponto em que estava quando Ethan se encontrava naquela mesma cama. Pronto a enfermeira mudou, mas de resto encontra-se tudo exatamente igual ao que já vimos, os mesmos medos e a mesma opressão. Isto só nos leva a crer que Jason e o seu grupo da Primeira Geração conseguiu apoderar-se novamente da cidade.

E é aqui que se encontra a minha dualidade de sentimentos em relação a este final. Por um lado acho bem que a série tenha terminado neste ponto, numa perspetiva de que Ben iria fazer exatamente aquilo que o seu pai fez e assim teríamos uma repetição de acontecimentos. Por outro lado ficam no ar uma série de perguntas e que poderiam ser aproveitadas para uma segunda temporada.

Por exemplo, o que é feito de Pam e Kate que supostamente iriam ser elas a comandar a cidade sem a opressão que David fez? Será que morreram na disputa pelo poder contra a Primeira Geração? Não me parece que sejam elas que estejam no comando pelas razões que apresentei acima. O que aconteceu a Megan Fishcer? Porque haveria ela de ficar para trás quando não havia mais ninguém para entrar naquele bunker e os seus alunos sabiam muito bem como sobreviver? Enfim, uma série de perguntas sem resposta.

É chegado assim o final de uma das séries mais esperadas para este Verão de 2015 e que, pelo menos para mim, acabou por perder um pouco a piada depois de sabermos toda a verdade que envolvia a cidade. Não quero com isto dizer o seu motivo seja fútil, não de maneira alguma, mas acho que o sucedeu a tal foi demasiado leviano. De qualquer das formas valeu apena ver e caso sejas um daqueles que ainda se encontra na dúvida entre ver ou não esta série, eu aconselho a ver, mas aviso desde já que não é nada de extraordinário.

Aos que me acompanharam ao longo destas 10 semanas, só me resta agradecer a vossa visita e comentários, esperando que tenham gostado das minhas perspetivas em relação à série. Vemo-nos por aí.

Nota: 8/10

Carlos Oliveira