Classificação

9.5
Interpretação
8.5
Argumento
9
Realização
8
Banda Sonora

[Contém spoilers]

WandaVision marca o início de uma montanha de séries da Marvel que vão chegar ao serviço de streaming nos próximos tempos. E será que WandaVision, com os Filmed Before a Live Studio Audience e Don’t Touch That Dial conquistou e mostrou que há razões para ficarmos entusiasmados com esta quarta fase da Marvel? A resposta é SIM!

Primeiro que tudo há que destacar a qualidade maravilhosa dos episódios. A cinematografia e a luz são do outro mundo! Já The Mandalorian tinha uma qualidade maravilhosa em todos os episódios. Em termos técnicos, o Disney+ está de parabéns pela atenção que dá a estes “pormenores”, que no final fazem toda a diferença. Já li comentários a reclamar do facto de os episódios serem a preto e branco mas eu amei e achei que fez todo o sentido tendo em conta o que eles estavam a transmitir ali.

Para quem estava à espera de dois episódios cheios de ação e de mauzões, teve uma grande desilusão. A série tem um conceito totalmente diferente, mas que não deixa de ter o seu toque de Marvel ali à mistura (para além dos personagens, claro!).

Por muito boa que a parte técnica seja, as performances de Elizabeth Olsen como Wanda Maximoff e de Paul Bettany como Vision são o melhor do melhor que pode haver. Eu já adorava ambos dos filmes, agora em WandaVision nestes Filmed Before a Live Studio Audience, Don’t Touch That Dial provaram e reforçaram o meu “amor” por eles.

A história dos episódios é uma espécie de paródia a várias séries americanas como I Love Lucy The Brady Bunch. O primeiro episódio foca-se numa situação que já vimos em mil séries de comédia. Isso mais a parte da magia de Wanda tornaram a situação ainda mais hilariante. Até os risos de fundo que tanto me irritam em séries como The Big Bang TheoryThe Office aqui funcionou na perfeição, porque encaixou no tom de sátira da coisa.

Para mim o melhor momento foi o concurso de talentos no segundo episódio, quando Vision estava meio “embriagado” (só me fez lembrar o Baymax no filme Big Hero 6 quando estava a ficar sem bateria). Wanda teve de controlar tudo para que ninguém soubesse das habilidades deles.

Essa foi outra! Todas aquelas manobras para esconder que ela era uma bruxa e ele uma máquina. Tanto no jantar com o chefe deles, como na reunião de Vision com os colegas, ou no espetáculo de talentos. Foi tudo muito bem executado e mal posso esperar pelos próximos episódios.

Fiquei muito intrigada com aquele contacto de rádio a chamar por Wanda e a cena final em que aparece o homem a sair do esgoto… Já para não falar que estou em pulgas que expliquem como é que Vision está vivo (visto que ele faleceu no final de Avengers: Infinity War)! Eles deixaram isso de fora nos primeiros episódios e mostraram apenas Wanda e Vision a chegar a casa recém casados e a viver uma vida suburbana na América dos ano 50 ou 60.

O que acharam do episódio? Correspondeu às expetativas ou estavam à espera de mais ação? Contem tudo!

Vemo-nos para a semana malta! O Séries da TV terá reviews regulares de WandaVision!

Maria Sofia Santos