Classificação

8
Interpretação
7.5
Argumento
8
Realização
8
Banda Sonora

[Contém spoilers]

Creado pela mesma mente por detrás de sucessos como Sex and the City 2 Broke Girls, Michael Patrick King, e pelo famoso drag queen RuPaul Charles, AJ and the Queen foi uma das apostas da gigante Netflix para o novo ano de 2020.

Para quem não conhece, RuPaul Charles é um dos drag queens mais conhecidos dos Estados Unidos, tendo o seu próprio reality show, RuPaul’s Drag Race, que desde que estreou em 2009 já ganhou 9 prémios Emmy (tendo já sido nomeado 23 vezes). O reality show procura encontrar o próximo “drag superstar“.

Ora, o próprio RuPaul protagoniza esta série que conta a história de Robert Lee (também conhecido como Ruby Red), um drag queen que está pronto para abrir a sua própria discoteca com o namorado, o “gestor” Hector Ramirez. Extasiado por investir as poupanças de uma vida, 100 mil dólares, Ruby sai em grande da discoteca onde trabalhou durante muito tempo e para a qual tanto dinheiro fez. No entanto, a sua vida dá uma volta de 180º no dia da assinatura do contrato da discoteca, quando descobre que Hector o deixou na miséria.

Mas Robert não é homem para baixar os braços. Agarra nos seus fabulosos vestidos dos tempos em que andava na estrada em concursos e a fazer shows para voltar a ter dinheiro e poder sobreviver. Então conta com a ajuda do seu amigo Louis, um drag cego que tem muita, muita piada. Robert reage de maneira relativamente saudável ao roubo. Não entra em pânico, não começa a partir coisas nem nada. Recompõe-se, agarra no que resta para se erguer e parte em viagem. No entanto, não vai sozinho.

Em paralelo com a história de Robert, também conhecemos a de AJ, uma miúda que rouba para comer e é áspera e desconfiada. É vizinha de Robert, que acaba por descobrir que ela e a mãe foram despejadas pelo senhorio. A mãe despareceu há um mês e nunca mais voltou por AJ. Os primeiros encontros dos dois foram tudo menos pacíficos; cada um tem os seus demónios e claro que não se conhecem para serem amigáveis, mas tal como o próprio título da série indica, esta é a história de AJ e de Robert e da Ruby.

Determinada em encontrar família no avô que vive no Texas, AJ entra clandestinamente na autocaravana de Robert, que vai terminar a sua tour de drag no estado do sul da América. Estou muito curiosa com este par. Não me parece que Robert esteja acostumado a crianças e AJ já foi muito magoada pela vida para ser conquistada com facilidade…

E será que foi a última vez que vimos ou ouvimos falar de Hector? Não sei, fiquei com a impressão que este roubo e a busca da polícia ou o que seja ainda tinham muita história por aí. Além disso, Robert tem de ter a sua vingança, aquele homem não pode sair impune! Até porque… aqueles dois até pareciam ter bastante química.

Apesar de não ser perfeita, AJ and the Queen é terna e realmente é um tema novo. Drag queens são vistos com olhos de repugnância (sim, sei do que falo, que já o vi em Portugal, por exemplo). Séries como estas, diferentes e refrescantes servem para abrir os horizontes das pessoas e se calhar ir acabando de vez com o preconceito e com o medo que os seres humanos têm do que é diferente.

Maria Sofia Santos