Classificação

8.2
Interpretação
7.8
Argumento
8
Realização
8
Banda Sonora

Pode conter spoilers!

Dois episódios separam-nos da última mid-season finale de How To Get Away With Murder e até agora esta temporada ainda não surpreendeu. Confesso que começo a ficar seriamente preocupada com o rumo que a história está a tomar. Uma vez que a série vai terminar não deveria esta ser uma temporada de arromba? Não deveria ser “fatal”, como prometeram? Fatal no sentido de ser “a matar” de tão fantástica que estaria e não no sentido de aniquilar por completo o plot.

Family Sucks foi mais um episódio em que a narrativa não avançou. Continuamos estagnados nos mesmos sub plots e o que realmente interessa está a ser deixado para trás. Qual a relevância deste vai e não vai entre Tegan e Cora? Já se percebeu que esta última há-de ter algo mais a ver com os Castillo, mas não há necessidade de tanta atenção ao casamento falhado. E qual é afinal o lugar de Nate nesta temporada? Há muito que esta personagem não tinha importância na série, mas isso mudou na temporada passada com o caso do seu pai e o sucedido com Miller (que também parece ter sido esquecido). Contudo, regrediu novamente e voltou a ser insignificante. Estar ou não estar é igual.

Depois tivemos aquela dinâmica esquisita entre Annalise e Soloman. O interesse pelo pai de Michaela também já se esvaiu. Tinha esperança de que a sua adição trouxesse um twist a este final, mas até agora não se verifica. O plano de AK foi descoberto demasiado cedo, na minha opinião. Demonstra que os Castillo estão atentos e que se pode esperar tudo dali, ainda que não tenham dado grandes pormenores sobre exatamente o quê.

Mais uma interrogação: será que a irmã de Asher se pode ir embora? Já farta! Pelo que mostraram até agora, também dão a entender que a sua presença traz água no bico. Será ela uma das informantes do FBI? (Sim, eu acho que há mais do que um.) Se não for esse o caso, vou ficar mesmo desiludida por terem trazido mais uma personagem para fazer a vida de Asher num inferno.

Por falar em Asher, passamos a um dos dois momentos fofinhos deste episódio. Escrevo isto com sinceridade: ainda bem que Asher e Michaela estão juntos novamente. Eles foram feitos um para o outro. Por momentos fiquei com  um mau pressentimento e pensei que Asher poderia ser o morto dos flashforwards, mas esse receio depressa se desfez quando ele apareceu na casa de Bonnie com a roupa cheia de sangue. Já agora, estes flashforwards já revelavam mais qualquer coisinha, não?

E houve ainda tempo para um floreado no romance de Bonnie e Frank. Toda esta potencial felicidade entre os dois deixa-me com a pulga atrás da orelha. Será desta que Frank esgotou as suas vidas e é ele quem morre no final? Espero que não, porque apesar de todo o mal que já fizeram, estes dois merecem alguma felicidade. Seria bom vê-los juntos no final, quem sabe em Oregon. Provavelmente não será assim, mas uma pessoa pode sonhar.

Resumindo, este sexto episódio foi mais um “enche chouriços”. Não houve avanços, não houve o típico suspense a que a série nos habituou, não houve cenas arrebatadoras. Enfim, não houve nada de especial. Foi apenas mais um episódio que se poderia ficar a ver quando se faz zapping na televisão, o que não é de todo um elogio à série. Espero sinceramente que as coisas mudem daqui para a frente. Esta não era a temporada final de que estava à espera.

Beatriz Caetano