Classificação

9.3
Interpretação
9.4
Argumento
8.9
Realização
8.6
Banda-Sonora

Ao som de “Mi Cucu” dos La Sonora Dinamita, “Nailed” ganha vida numa paisagem árida característica das planícies texanas onde um condutor de uma carrinha comercial está prestes a cair numa armadilha. Um homem encapuçado esconde-se atrás de um placard degradado e prepara uma cilada à carrinha. Déjà vus? Sim, claro, o bandido é Mike e está atrás dos negócios Salamanca. Num ambiente não tão agreste (ou pelo menos inicialmente), Jimmy vinga-se de Chuck por roubar o caso Mesa Verde de Kim, o que leva Chuck a ser humilhado em tribunal e a ligar os pontos para chegar à brilhante conclusão de que o seu irmão foi o culpado de tudo. Para além disto, Jimmy e Kim preparam as novas instalações da sua firma enquanto Chuck procura por provas.

Se na semana anterior Better Call Saul inicia a sua viagem para um final em grande, em “Nailed” a trama adensa-se ainda mais. O trabalho de Peter Gould (cocriador da série, argumentista e realizador deste episódio) leva-nos por um trabalho de excelência culminando num final de deixar o queixo caído. O segmento de Jimmy vai delineando a sua história até chegar àquele preciso momento em que muda para o alter ego Saul Goodman, mas não sem deixar tudo bem claro e pormenorizado. Mike também está em destaque e o final da próxima semana promete dar ainda mais credibilidade à sua porção de história.

“Nailed” segue confiantemente os eventos da temporada, trazendo uma qualidade de escrita a que já nos habituámos na série e uma direção de fotografia fenomenal que nos amplifica os horizontes, transportando-nos para as cenas em si como se estivéssemos ao lado dos próprios atores. Outro ponto que merece referência é o crescimento de Kim Wexler como personagem e de Rhea Seehorn como atriz que acompanha a evolução gradual com uma firmeza incrível. A banda sonora também não fica atrás, fazendo oscilar os momentos de humor e drama com uma sensibilidade fora do vulgar e proporcionando uma hora de puro entretenimento.

Há ainda questões por resolver, mas certamente que a equipa da série vai fazer os possíveis para tornar Better Call Saul tão grandiosa como a série que lhe deu origem e, por falar nisso, Aaron Paul pode vir a aparecer, quem sabe na próxima temporada, o que nos aguça ainda mais o entusiasmo.

Se estão impacientes pelo final de temporada juntem-se a nós, porque mesmo que os twists estejam para chegar, o que vemos é televisão ao mais alto nível e ninguém consegue prever o que as atribuladas vidas de Jimmy McGill e Mike Ehrmantraut ainda reservam.

Jorge Lestre