Classificação

7
Interpretação
6
Argumento
6.5
Realização
7.7
Banda Sonora

[Contém spoilers]

“Something bad it’s about to happen”

Há aqui amor pela música country? The Flash regressa após uma curta pausa e se no último episódio pudemos celebrar a libertação de Barry da prisão, por outro lado a morte dos meta-humanos do autocarro às mãos de DeVoe foram razões mais que suficientes para nos deixar em baixo. Será que esta semana as coisas melhoram para a Team Flash?

Izzy Bowin foi uma boa adição à lista dos “bus meta”, com uma personalidade forte e independente e habilidades diferentes e apelativas. Apenas num episódio ficámos a gostar da personagem e mesmo com a baixa probabilidade de ela durar muito vemo-nos a torcer para que ela consiga sobreviver ao perverso ataque de DeVoe. O problema do episódio começa com o facto de que a parte mais interessante foi mesmo Izzy, tendo tudo o resto sido apressado, desnecessário ou desperdiçado.

“Buddy system”

A relação que se estabeleceu entre Ralph e Izzy foi algo que pareceu natural e que prometia até poder dar frutos. Barry, como é costume em todas as temporadas e confrontos com grandes vilões, a meio da aventura começa a perder tanto a esperança como a paciência, vendo-se na sua atitude de forçar demasiado Izzy a aprender a controlar os seus poderes. Acham que os meta-humanos absorvidos por DeVoe ainda podem voltar ou morreram definitivamente?

Cecille e Harry… WTH?! Se no final a ligação com as previsões dadas por Savitar até foi interessante, o restante do que se passou entre as duas personagens foi desajeitado e ocupou demasiado tempo de ecrã. Raramente a ligação de Cecile com as outras personagens é cativante e continuo na dúvida do porquê de os escritores apostarem tanto nesta personagem e ignorarem outras que merecem muito mais um arco de desenvolvimento. Esta aparente falta de noção do que fazer com tantas personagens é dos pontos mais negativos não só da temporada, mas da série no geral e The Flash começa realmente a sofrer com esta falta de evolução de algumas das suas personagens.

Os confrontos com DeVoe foram demasiado automatizados, parecendo que estávamos num jogo de Super Mario em que “a nossa princesa não estava naquele castelo” e tínhamos de seguir para o próximo. Que acharam da nova transferência de consciência? Apesar de Izzy parecer mais carismática que Becky, a verdade é que esta constante mudança de corpo de The Thinker faz-nos perder um pouco de entusiasmo com o vilão, sendo um dos pontos mais críticos da temporada. Podem por favor trazer de volta Neil Sandilands? A informação que o capitão Singh dá a Barry de que Clifford tem prestado várias declarações de forma a ajudar a polícia a perceber o que aconteceu e a fortalecer a inocência de Barry mostram que Ralph continua a assumir a identidade de DeVoe e, para além disso, foi interessante considerarem que tudo aquilo podia não passar da habilidade de um meta-humano desconhecido. Realmente quando se vive em Central City durante algum tempo começa-se a duvidar de tudo!

Factos do Channel 52:

– se estiverem interessados na música que Izzy canta no início do episódio esta é “Somethin’ Bad” de Miranda Lambert e Carrie Underwood.

– a sugestão de DeVoe de “The Fiddler” como nickname para Izzy é uma referência à sua counterpart masculina que existe nos comics, Isaac Bowin, que teve a sua primeira aparição em  All-Flash #32 (Janeiro, 1948).

– mais uma vez é referida a batalha entre Wally e Starro em Blue Valley. Pena que não possamos ver essa batalha que parece ter sido mítica. Esperemos que a participação de Wally West em Legends of Tomorrow pelo menos seja interessante.

– o título do episódio em si é uma referência a um episódio da série Fringe, também de nom “Subject 9” (2011).

Jessie Quick e Jay Garrick estão de visita? O próximo episódio, “Enter Flastime”, já promete. Nele poderemos acompanhar os três velocistas que terão de impedir que uma bomba nuclear detone em Central City. Até lá, boas corridas!

Emanuel Candeias