Classificação

7.8
Interpretação
7.3
Argumento
7.6
Realização
7.7
Banda Sonora

Quinn, depois de ter assistido ao vídeo do momento em que foi exposto ao gás sarin na temporada passada, tem pesadelos com a situação. (Agora percebo o porquê de não querer tomar banho.) É acalmado por Carrie e  acaba por pensar que aquela situação e a preocupação de Carrie podem levar a algo mais, mas ela recusa envolver-se com ele, deixando-os numa situação algo constrangedora.

Nesse entretanto, Reda pede a Carrie para ir para o escritório o mais rápido possível, já que Conlin já sabe que Carrie tentou coagir Saad, desafiando uma ordem judicial e, por isso, o acordo proposto a Sekou foi retirado. Carrie comunica a Sekou o que aconteceu e que este terá que ir a julgamento devido às suas ações. Sekou não reage da melhor maneira.

Carrie acaba por conseguir uma cópia da chamada entre Conlin e Saad, provando que estes incriminaram Sekou. Ao mostrar a gravação a Conlin, este apresenta-se irredutível, mas mesmo assim Carrie diz-lhe que ou ele retira todas as acusações sobre Sekou ou ela denuncia a situação ao procurador geral. Não acho que isso vá acontecer, Conlin está muito confiante na condenação de Sekou e vai fazer de tudo para que isso aconteça.

Em casa de Carrie, Quinn dá conta de que está alguém no andar de cima. Através da janela vê um homem sair de casa de Carrie e entrar num prédio em frente. Com isto, Quinn vai ao encontro do namorado da sua amiga prostituta, que o assaltou no primeiro episódio, conseguindo, mesmo “sem” um braço e uma perna, bater no homem e trazer uma arma.

Saul, por sua vez, já se encontra em Abu Dhabi, onde o seu táxi é perseguido pela SSD. Depois de despistá-los, Saul interroga Nafisi sobre a quebra no acordo nuclear e da sua ligação com a Coreia do Norte. Apesar de não haver factos sobre o seu contacto com a Coreia do Norte, Saul, que inicialmente não acreditava que Nafisi fosse responsável pelas negociações com a Coreia do Norte, acaba por perceber que Nafisi é realmente culpado através da justificação que este dá ao dinheiro que tem recebido secretamente, provando que este está envolvido nas ações terroristas. Para além disto, Saul guarda o maço de cigarros que Nafisi tinha deitado ao lixo, como se fizesse sentido de alguma forma. Não percebi qual a importância deste objeto, mas penso que fará sentido mais à frente na história.

Saul comunica a informação a Dar Adal que, por sua vez, comunica à Presidente-eleita os desenvolvimentos sobre as ações de Nafisi e a violação do acordo nuclear por parte dos iranianos. A presidente-eleita pede a opinião a Dar sobre as medidas a tomar, acabando por ser visível a crispação entre os dois.

Descobrimos que Saul tem uma irmã a viver na Cisjordânia, com a qual não falava há alguns anos, devido a diferenças de mentalidade entre Saul e o cunhado.  As coisas acabam por não correr da melhor forma no reencontro dos irmãos, com estes a discutir sobre os seus ideais. Entretanto, Saul abandona a casa da irmã, passa a fronteira com Israel e entra num carro da polícia local. Onde vai Saul? E porquê?

No final do episódio, Carrie encontra-se com a Presidente-eleita como sua conselheira, mas agora a sua conversa está a ser ouvida por Dar, confirmando-se que este sabe mesmo que Carrie é a conselheira secreta da Presidente-eleita. Quinn, por sua vez, fica em frente a casa de Carrie a observar o homem no prédio em frente de arma em punho. Quem é o homem? Alguém está a investigar Carrie? Ou será só alguém a servir de babysitter para Quinn?

Mais um episódio morno! Tenho saudades das primeiras temporadas de Homeland em que todos os episódios eram de deixar o coração nas mãos! Espero pelo episódio desta temporada que faça despoletar isso de novo!

David Pereira