1013_NELSON'S_SPARROW

10×13 – Nelson’s Sparrow

 

Contém SPOILERS!

 

Criminal Minds parece querer chamar atenção nas últimas semanas com mortes inesperadas de personagens que a BAU (e o público) adora: há duas semanas Rossi toma conhecimento da notícia da morte de Harrison Scott, e logo a seguir anunciam a repentina morte de Jason Gideon. Eu tenho a certeza de que o facto de que Gideon foi completamente retirado da série não chateia os fãs mais do que a maneira preguiçosa e apressada dos escritores criarem as circunstâncias da sua morte.

De todas as personagens da equipa, a reacção mais genuína e in-character é a de Reid; calado e pensativo. Rossi reage de maneira semelhante, mas com mais motivação para apanhar o assassino do ex-colega. Tirando estas duas personagens, ninguém da equipa é dado devido tempo para dar luto devidamente, e não com humor desajeitado (Estou a olhar para ti, Garcia).

E por falar do unsub desta semana, que foi na minha opinião um dos mais fraquinhos (tendo em conta de que foi o responsável pela morte de uma personagem muito adorada), apesar de sentir que com um guião melhor, ele teria mais impacto: o perfil do unsub é interessante, mas pouco desenvolvida:

A única razão pela qual não vou dizer que não vale a pena ver o episódio é a presença de flashbacks de Gideon e Rossi quando a BAU era ainda motivo de chacota: Ben Savage faz uma brilhante, senão perfeita representação de uma versão mais jovem (e menos deprimida) de Gideon. Para além disso, o ambiente e as piadinhas entre os dois pioneiros da BAU, como quando o detetive faz Rossi prometer que irão ter um avião privado, e a origem dos termos que usam no presente como profiling e signature. Apesar da opinião de Mandy Patinkin sobre Criminal Minds, a série não deveria tratar a morte de Gideon como despejo, e sim honrando o seu contributo para o crescimento do departamento onde trabalhava. Felizmente, achei que conseguiram fazer isso com os flashbacks, mas não tanto com o resto.

Independentemente do episódio pode ter feito fãs enfurecidos ou emocionados, a sua execução meio que desaponta, até aos menos fãs do antigo supervisor da equipa.

6/10

Cátia Neto