[Se quiseres ler este artigo em inglês clica aqui]

O Séries da TV esteve presente na conferência de imprensa e no painel de Benedict Wong, um dos convidados da Comic Con Portugal 2019, nos dias 14 e 15 de setembro.

O ator de Marco Polo e Deadly Class entrou em palco com uma camisa havaiana, um chapéu de palha e um ar muito descontraído, algo que relevou ser da sua própria personalidade, durante o tempo em que estivemos à conversa com ele. A primeira pergunta foi sobre o seu papel em Dr. Strange e no universo MCU, como Wong (sim, acreditem que foi fácil entrar na pele de uma personagem com o mesmo nome). Ter a hipótese de ter esse papel deixou Benedict maravilhado; quando era criança lia comics, brincava com figurinhas e agora, como adulto, vê-se a vestir a pele de uma personagem desse universo. Aliás, para Wong o mundo dos super-heróis atualmente está espetacular, pois tivemos oportunidade de ver todos os filmes da MCU a culminar no Avengers: Infinity War e Endgame.

Abandonando o universo da Marvel e regressando atrás até aos tempos de Kublai Khan, personagem interpretado por Wong em Marco Polo, foi questionado ao ator como é que fazia a preparação para um papel histórico, de um personagem que não só existiu, como foi um dos homens mais poderosos do mundo. Wong revelou saber imenso sobre a história, não só de Kublai, mas também do seu avô, referindo que Kublai foi um dos pioneiros no conceito de mercados internacionais, sendo um homem que funcionava muito de acordo com os seus próprios instintos e que se rodeava das pessoas certas, era agarrado ao poder. No fundo, mais do que investigação, Benedict tenta representar o princípio que movia Kublai, uma frase que foi imortalizada por Shakespeare “Heavy is the head that wears the crown“.

De seguida, fizemos uma questão a Wong sobre os papéis que tipicamente os asiáticos e os seus descendentes recebem, o facto de serem sempre os mesmos, como por exemplo papéis ligados a artes marciais. Benedict contou-nos que desde criança trabalhava na loja dos pais em Inglaterra e, como não tinha dinheiro para gastar em bilhetes de teatro, deixavam-no entrar de graça quando era possível, o que despoletou a sua paixão pelo teatro e pelos filmes. Passado algum tempo depois de entrar no meio, sentiu que não o viam como um ator inglês, mas sim que o julgavam pela cor da pele e que lhe davam papéis estereotipados, como ser o cozinheiro, o empregado ou o gangster. No entanto, chegou a um ponto da carreira onde teve que se separar disto, recusando estes papéis e virando-se para o teatro, onde alcançou mais sucesso. Atualmente, sente que esta discriminação já está a mudar um pouco.

A pergunta seguinte foi sobre que fatores é que Wong considera que levaram a sua carreira a despoletar recentemente. Wong recordou os três anos em que não esteve a trabalhar como ator, mas sim a gerir a carreira de outros atores, o que o levou a aprender sobre o meio. Quando regressou ao teatro, fez uma série de peças que o fizeram ganhar notoriedade e foi recomendado por Sir Ian Mckellen. Pouco depois foi escolhido para duas peças de teatro que tinham histórias que Wong queria contar, mas cujos horários se sobrepunham durante uma semana. Uma vez que se estava a representar a si mesmo, decidiu dizer que faria ambas as peças e que teriam que mudar as datas. Resultou bem e conseguiu ambos os papéis, o que o fez perceber que era um artista.

Por fim, Avengers: Endgame voltou a ser mencionado e falou-se sobre a impossibilidade de Wong dizer o que quer que fosse sobre o filme durante tanto tempo, algo que Wong compreendeu, pois o projeto estava em construção há 10 anos, estavam todos muito dedicados, pelo que não foi uma grande dificuldade por respeitar a obra e o trabalho de todos os envolvidos.

 

Se quiserem saber mais acerca da prestação de Wong em Marco Polo, ou descobrir o que pensa sobre Deadly Class, podem ler a entrevista que lhe fizemos:

Quando entrámos para a sala de entrevistas deparámo-nos com Wong imóvel dentro de uma vitrina a fingir que era uma estátua, o que nos deu logo indicação do que vinha a seguir: uma conversa de 5 minutos com uma pessoa descontraída, divertida e simpática.

SDTV: Uma das cenas mais icónicas de Marco Polo é a batalha de Kublai (personagem interpretada por Wong) contra Ariq. Como é que foi a experiência de gravar esta batalha? Foi usado algum duplo?

Wong: Foram precisas muitas horas para gravar essa batalha e tínhamos um coordenador de coreografia de lutas bastante bom. Eu queria ter feito as minhas cenas todas, mas não me deixavam e a certa altura era um duplo, apesar de a maioria ter sido eu próprio a fazer.

SDTV: Resultou, porque transmitiu mesmo a impressão que era uma batalha que podia ter acontecido.

Wong: (entre risos) Ainda bem, é essa a impressão que queremos causar na audiência.

SDTV: Infelizmente, a série foi cancelada. Acha que ainda teria história para muito mais?

Wong: Claro que sim. Kublai chegou a ser um dos homens mais poderosos do mundo e tinha muito mais conquistas para poderem ser contadas. Infelizmente, às vezes estas decisões acontecem, mas havia ainda muito mais para ser contado, suficiente para mais três temporadas, pelo menos!

SDTV: Talvez tenhamos hipótese de ver um filme para dar um fim digno à série?

Wong: Nesta fase não há nada em cima da mesa, mas é totalmente possível. Eu sei que alinhava e que gostaria que pudéssemos continuar.

SDTV: Outra série da qual fez parte foi Deadly Class. O que acha da dicotomia entre ser uma série cheia de violência, quando o elenco e as personagens são quase todas jovens?

Wong: Não penso muito nessa dicotomia, porque a série aborda um tema paralelo: trata-se de uma academia para assassinos, pelo que é normal a existência de violência. Aqueles jovens estão ali para aprenderem a ser assassinos. Mais uma série que tinha potencial para muito mais, mas que infelizmente foi cancelada precocemente.

SDTV: Fazia alguma ideia de qual seria o plot para a 2.ª temporada?

Wong: Não, os argumentistas nunca me chegaram a dizer, mas sei que havia história para tal. Pode ser que um dia tenhamos a oportunidade de pegar novamente na série.

SDTV: E que outros projetos é que está atualmente a fazer e que possa partilhar connosco?

Wong: Fiz dois filmes que irão sair num futuro próximo, tive um papel no Project Gemini e em Nine Days. Adicionalmente, também fiz a voz de Bull na animação de Lady and the Tramp (A Dama e o Vagabundo), que será um dos próximos live actions da Disney.

SDTV: Muito obrigado pelo tempo dispensado para a entrevista.

Wong: Eu é que agradeço as perguntas.

No fundo, foi sempre uma pessoa super disponível e muito simpática durante toda a Comic Con Portugal.