Classificação

5
Interpretação
5
Argumento
7
Realização
7
Banda Sonora

[Não contém spoilers]

Sky Rojo é a mais recente criação de Alex Pina (La Casa de Papel, White Lines) e uma aposta da Netflix. Conta-nos a história de três prostitutas que tentam fugir do local onde estavam condenadas a trabalhar para pagar uma dívida que nunca se iria saldar.

Alex Pina tenta recriar o ambiente tenso que prende o espectador ao ecrã em La Casa de Papel, mas mais uma vez falha neste capítulo. Vou dar uma coisa de barato, o episódio passa rápido, até porque só tem 28 minutos, mas no final não me agarra com vontade de ir ver o próximo. Aliás tenho mais vontade de ir dormir do que de ver o próximo. Mas também não quero ser injusto, porque a série não é má, acho que o piloto é perfeitamente mediano. Entretém e passa o tempo, mas não prende. Somos introduzidos às personagens principais Gina (Yany Prado), Coral (Verónica Sánchez) e Wendy (Lali Espósito), que são as três prostitutas que decidem fugir do bordel onde se encontram, depois de estarem a ser maltratadas pelo seu chulo (quem diria, um chulo que não é boa pessoa? Deve ser caso único, certamente). Nesta cena conseguem realmente criar uma primeira ligação emocional com estas mulheres, especialmente com Gabi que só queria pagar a sua dívida para poder parar de fazer o que fazia.

A partir do confronto desencadeia-se uma série de eventos que procuram manter o espectador na beira da cadeira com emoção, mas que talvez pelo modo forçado como isso acontece, faz o efeito oposto. De destacar a produção, está com uma bela qualidade de imagem e realização e com uma boa banda sonora. Como disse mais acima, acho que é uma série mesmo ali no meio, sem pingar nem para um lado nem para o outro. Por agora não irei ver mais, mas não excluo a hipótese de ter um domingo à tarde mais aborrecido onde decida pegar na série e ver até ao fim.

E vocês? O que acharam?

Raul Araújo