On Becoming a God in Central Florida – 01×01 – The Stinker Thinker
| 28 Ago, 2019

[Contém spoilers]

Depois da morte de Travis (Aleksander Skarsgard), Krystal (Kirsten Dunst), a sua viúva, vê-se forçada a trabalhar para a empresa que prometeu ao marido o sonho americano enquanto lhes arruinavam a vida. Guiada pelo desespero e em busca do que lhe é devido, Krystal fará tudo para garantir uma vida melhor para si e para a sua filha.

Antes de mais convém avisar que On Becoming a God in Central Florida contém todo e qualquer estereótipo sobre este belo estado e seus habitantes. Com parques aquáticos, cores gritantes, jacarés e armas enormes, esta série tem todos os elementos de um bom headline floridiano. Neste sentido, podíamo-nos deixar levar e encarar On Becoming a God in Central Florida como uma mera comédia às custas da família pacóvia que se deixa enrolar num claro esquema de pirâmide, mas esta série é bem mais do que isto.

Apesar de começar de uma forma relativamente simples, este piloto revela-se progressivamente mais interessante. A complexidade da relação entre Krystal e Travis, que se amam genuinamente para lá de qualquer conceção idílica de amor, alimenta e orienta toda a série. Aquilo que seria uma história de vingança relativamente simples e quase exclusivamente cómica, torna-se uma verdadeira odisseia com um elemento dramático surpreendentemente bonito. Krystal ama Travis, para lá das promessas de uma vida melhor, de uma riqueza afluente. Krystal ama Travis pelo homem que é e está-lhe grata pela vida que têm. Travis, em contrapartida, mais do que sonhar com helicópteros, champanhe e litorinas, sonha ser capaz de providenciar uma vida boa, segura e despreocupada a Krystal e à filha. É este amor e não a ganância ou a simplicidade de espírito que o tornam vulnerável ao esquema da FAM. Com a morte de Travis é este amor, o mesmo amor que se manifestou nos momentos de discórdia, que prevalece. É este amor que promete carregar a série e isto torna-se exponencialmente mais interessante do que seria apenas uma história de vingança.

A série apoia-se fortemente nos ombros de Kirsten Dunst a quem, pessoalmente, louvo a capacidade que aqui demonstra de criar espaço para o outro. Ou seja, a capacidade de se eclipsar nos momentos certos para que nos seja possível ver o que Krystal vê, o pai dedicado, o marido honesto e sincero.

À primeira vista, parece-nos que a série recairá sobre Travis, sobre a sua luta pelo sonho de uma vida melhor, sim, mas acima de tudo de uma vida boa e confortável para a família. No entanto, Krystal torna-se rapidamente a peça fulcral da série e, pelo fim do episódio, a compaixão que temos por ela chega para nos manter interessados. Tudo isto devido a uma interpretação de tal forma humana da parte de Dunst, com quem não podemos senão empatizar com a situação e vivê-la da mesma forma que ela. É por esta razão que, em vez de julgarmos a estupidez de Travis, o compreendemos. Assim como compreendemos a reação de Krystal à sua morte e a sua necessidade de procurar retribuição pelo mal que foi feito ao seu marido e pela situação em que ficou a sua família. A série leva-nos diretamente ao ponto mais interessante e mais vezes ignorado de toda e qualquer fraude, o impacto que tem nas pessoas que afeta e nas suas famílias.

Apesar de ser uma comédia, On Becoming a God in Central Florida agarra-nos pelo coração e mantém-nos investidos nas personagens e nas suas histórias. Bem entregue a Kirsten Dunst, esta série parece ter muito para dar. É um ótimo investimento para qualquer pessoa que procure uma comédia com um pouco mais de “sumo” ou, por outro lado, um drama mais leve.

Raquel David

Publicidade

Populares

she hulk poster

Recomendamos