One Mississippi – 01×01 – Pilot
| 12 Set, 2016

Publicidade

Baseada na história verídica de Tig Notaro (a personagem principal é desempenhada pela própria e tem inclusive o mesmo nome), One Mississippi conta-nos a história de Tig a partir do seu regresso a casa, Mississippi, para assistir, literalmente, ao último suspiro da mãe. Esta é uma comédia um pouco negra misturada com drama, que tenta fazer rir com base na trágica vida de Tig, desde a morte da sua mãe até ao seu estado de saúde – Tig no início da série tem cancro da mama, o que a obrigou a fazer recentemente uma dupla mastectomia e um intenso período de quimioterapia, bem como uma infeção intestinal.

Vemos por isso uma mulher de aspeto pouco saudável, que se vê de volta a uma família disfuncional que inclui o seu padrasto Bill, um homem insensível e socialmente inadaptado, que num momento de sofrimento e dor como a morte da esposa, só se preocupa com a alimentação do gato (um exemplo de vários momentos muito bem pensados, já que numa cena tão pesada acaba por aliviar a tensão e surpreender o próprio espectador) e o seu irmão Remy, algo trapalhão e imaturo. A esta família há ainda a juntar a namorada de Tig, um pouco diferente da personagem principal e que à primeira vista não parece ter muito em comum com ela. A conversa entre as duas sobre onde estariam as boobs de Tig após a mastectomia é o momento mais cómico (e um dos únicos) de todo o episódio e, claramente, inesperado.

Tig vê-se então numa impaciente espera pela morte da mãe, cena na qual há claramente uma tentativa de suavizar a morte, fazendo comédia com a situação e mostrando que o objetivo da série é definitivamente provar que a morte e a doença são dos momentos mais dolorosos da vida, mas que há que saber ultrapassar esses momentos e tentar achar piada ao “melhor” da vida.

Durante o episódio observamos que Bill afinal não é assim tão desprendido emocionalmente, pois após ter dito a Tig e a Remy que já não está casado com a mãe deles e por isso não há nada que os una legalmente, diz a Tig que ela pode ficar em casa dele durante o tempo que necessitar para recuperar. Devo dizer que a dinâmica entre estas duas personagens é, para mim, um dos pontos altos da série e acho que pode melhorar com o desenrolar e evoluir da história.

Fico com a sensação de que a tentativa de chegar às pessoas de uma forma diferente da que estamos habituados quando nos deparamos com este tipo de problemas e situações não foi totalmente conseguida e pode não ser bem compreendida, apesar de haver cenas muito inteligentes e bem trabalhadas, mostrando ser possível lidar de uma forma mais natural com assuntos menos felizes. Vamos aguardar para ver se Tig e companhia nos fazem rir mais daqui para a frente (já que no fim de contas trata-se de uma comédia), porque para já ficamos com uma sensação de que ficaram um pouco aquém.

David Pereira

Publicidade

Populares

calendário estreias posters junho 2024

land of women apple tv+

Recomendamos