Contém SPOILERS.

Os super heróis andam mesmo na moda. E já não bastava ser um fenómeno no cinema, agora começou a invasão nas séries. Longe vai o tempo de Smallville. Agora veio Arrow, The Flash… e Batman?

Mas ora aqui está algo que Gotham não tem. Um super herói. Pelo menos um que estejamos habituados. Claro que todos conhecemos a cidade de Gotham. Provavelmente as pessoas muito mais depressa identificam Gotham do que Starling City ou Central City. Afinal, Christopher Nolan andou quase uma década a deliciar-nos com os seus filmes. Mas Gotham ousa ao não usar um dos super heróis mais famosos da história. Nesta nova versão, Bruce Wayne perde os pais no beco. E a história continua a partir daí.

Confesso que fiquei dividida. Por um lado, Gotham sem Batman não tem a mesma piada. Por outro, é uma lufada de ar fresco nas séries. O herói desta série não se esconde por detrás de uma máscara nem está munido de várias engenhocas (apesar de o Batmobile ser para lá de fixe!). James Gordon é um homem normal que luta (sozinho) como pode pelo bem de Gotham. Se isso não é ser herói, não sei o que é.

Gordon é novo na GCPD e já nessa altura Gotham era uma cidade corrupta, em que a máfia mandava na cidade. Começamos a ver a personalidade de Gordon ao escolher não dar um tiro num criminoso que tenta fugir da polícia. Um herói de guerra, Gordon é claramente um homem de paz e que segue as regras.

Mas o jovem detective não vai ter a vida facilitada em Gotham. Especialmente devido ao caso que lhe é destinado. O assassinato de Thomas e Martha Wayne.

Já devo ter visto a cena do beco cerca mil vezes em mil filmes diferentes. Contudo, deixa-me sempre arrepiada. Foi este acontecimento que mudou para sempre a vida de Bruce Wayne e que o fez no homem que ele se transformou. Batman. O Cavaleiro das Trevas. O Justiceiro de Gotham. O grito de Bruce arrepiou-me. E viram como os corpos dos pais dele pareciam asas de morcego? Grande cena.

Bruce: Bruce. My name is Bruce Wayne.

Longe de saber o que o futuro lhes reserva, Jim vai imediatamente falar com Bruce e promete-lhe que encontrará o assassino dos seus pais. Pareceu-me ter visto naquele momento algo no olhar de Bruce. Mais tarde, quando Jim vai à mansão, vi mesmo algo. David Mazouz parece estar à altura do papel.

Harvey Bullock é muito diferente de Gordon. O ex-militar é novo na cidade e ainda não conhece as suas regras. Harvey, por seu lado, já sabe de cor e salteado como é que aquela cidade funciona. E aceita-o, daí os seus contactos com Fish Mooney e Carmine Falcone. É à mafiosa que o detective vai pedir ajuda relativamente ao caso dos Wayne. Vê-se que Gordon não está à vontade com aquele arranjo nem como se fazem as coisas na cidade.

Gordon não demora a perceber que se meteu num caso para lá de complicado. Todavia, é óbvio pela conversa com a noiva que Jim não vai desistir. A sua personalidade não o permite e o laço que claramente criou com o pequeno Bruce, vão ser a sua motivação nesta perigosa jornada. (Pequeno aparte, viram a camisola de alças de Jim? Mini mini referência a The O.C. que me deixou um nadinha nostálgica).

Numa surpreendente mudança de acontecimentos, Harvey descobre o assassino dos Wayne. E quem é ele ? Nada mais nada menos do que Mario Pepper (gostaram do nome da filha dele, Ivy? Eu também. E também gostei de a ver brincar com as plantinhas…). Claro que aquela história era boa demais para ser verdade. Pinguin acaba por dar com a língua nos dentes a Montoya e Allen e Gordon fica a saber através de Barbara que Mario foi incriminado pela máfia. O caso amoroso entre Montoya e Barbara surpreendeu-me. Não sei bem onde é que eles querem levar esta história. Provavelmente para criar drama na relação de Jim e Barbara. Espero que não façam asneira nesta história. Relativamente à actriz que faz de Barbara, acho que a Fox podia ter feito melhor do que arranjar a típica loira. Que Erin Richards torne Barbara numa personagem forte e me faça esquecer a sua aparência perfeita (por momentos até pensei que estivesse a ver uma série da The CW).

Jim acaba por contrariar a sua própria natureza e assume uma mentir para o seu bem e da cidade. Pepper morreu para um bem maior. Isto são, claro, palavras de um mafioso.

No fim, vemos Jim jogar o jogo de Harvey. Claro que o detective não ia matar o Pinguim, por muito mal que tivesse feito. Agora é uma questão de tempo de saber até quando é que isto se vai manter em segredo. Pela cena final, não me parece que seja muito.

Jim é um homem honesto num mundo em que a própria polícia é a má da fita. Ele recusa-se a entrar nessa espiral e a sua promessa a Bruce mostra-nos isso. Para não ser morto em Gotham, Gordon terá que ser mais esperto. Que grande tarefa que o espera. A morte dos Wayne será a sua prioridade e estou mais do que curiosa para saber a história. Ninguém acreditou que tenha sido um caso aleatório.

Fiquei surpreendida com a quantidade de vilões de Batman que foram introduzidas na série. Fish Mooney, Pinguin, Riddler, Catwoman, Poison Ivy. O morcego pode estar em falta mas de resto está tudo lá! Só não estão é na sua máxima força. Vai ser engraçado ver o crescimento destas personagens até estarem ‘preparadas’ para enfrentar o Batman. Selina Kyle está extremamente bem escolhida (não é que a miúda tem mesmo cara de gata?) e mal posso esperar para ver mais dela. Selina pode não ter o poder da mafiosa Fish mas cheira-me que vai dar uma carga de trabalhos.

Foi um excelente episódio piloto. Tal como disse, Gotham sem Batman não é o mesmo mas anda lá perto. Quero muito ver o crescimento de Bruce e ver a sua personalidade desenvolver até estar preparado para se tornar no justiceiro da sua cidade. Gotham tem tudo para ser uma série sólida com uma enorme legião de fãs. Bom elenco (fiquei agradavelmente surpreendida com Jada Pinkett-Smith, Donal Logue e Robin Lord Taylor. Ben McKenzie não é um actor genial mas está muito bom no papel. Aqueles olhos azuis dizem mais do que mil palavras.), bons cenários. Talvez a atmosfera seja demasiado cinzenta mas Gotham City é mesmo assim. Veremos onde nos leva a jornada de Gordon para combater a corrupção de Gotham ao mesmo tempo que tenta manter a sua integridade. Onde levará a busca pelo assassino dos Wayne? Espero que dêem o devido destaque aos vilões e a Harvey. São fantásticos.

Nota: 8.5/10

Maria Sofia Santos