Classificação

5
Interpretação
4.5
Argumento
6
Realização
7
Banda Sonora

[Não contém spoilers]

Signs ou Znaki  (nome em polaco) é mais um original Netflix, desta feita com origem na Polónia. É, provavelmente, a review mais difícil de escrever que eu tive até hoje porque não gostei mesmo nada do episódio e tive momentos em que foi mesmo difícil manter a concentração no que estava a acontecer pelo ritmo parado que se manteve durante os mais de 40 minutos de episódio. Apesar de só estrear agora por cá, a série já tem duas temporadas, cada uma com oito episódios, mas é daquelas que facilmente passará despercebida. E, por mim, ainda bem.

Ao contrário de The Woods, outra série da Polónia do mesmo género, esta nova oferta da Netflix não me despertou curiosidade nenhuma nem vontade de ver o resto, nem que fosse para desvendar o mistério. Signs arranca com a morte de uma mulher com dois tiros no peito naquele que foi, provavelmente, o melhor (o único?) momento do episódio. Dali partimos para a construção de várias personagens que deverão cruzar-se durante a temporada, mas num ritmo tão lento que a certa altura o mais provável é o nosso olhar viajar por outros lados. O que acontece aqui é algum tempo depois da morte da mulher e começamos a seguir o chefe da polícia Trela (nome engraçado) e a filha dele, que faz novas amizades com pessoas que podem dar muitas dores de cabeça. Ficamos a conhecer também Jonasz, um “curandeiro” que vende água benta aos mais velhos e aos mais crentes, ou Zofia, uma mulher que perdeu o seu marido e a filha e que a maioria das pessoas pensa que enlouqueceu.

A verdade é que, além de tudo, Signs parece querer misturar tanta coisa ao mesmo tempo que acaba por ser um desperdício e dar menos tempo de antena a quem, se calhar, até merecia. A realização está boa, com bons planos da Polónia, mas o argumento tem muito para crescer. Quem sabe não cresce nos próximos episódios? Com tanta oferta que temos neste momento, não será minha opção seguir esta história. As interpretações também podiam ser melhores, temos duas ou três excelentes representações, mas o resto é mediano e nesta categoria está inserido o personagem principal, o chefe de polícia Trela, o que ainda piora tudo. A banda sonora, por outro lado, até foi uma agradável surpresa.

Signs está disponível na plataforma Netflix, mas existem opções bastante melhores dentro deste género.

Bruno Pereira