Classificação

7.5
Interpretação
7
Argumento
8
Realização

[Pode possuir ligeiros spoilers]

Summer of Rockets é uma minissérie de seis episódios da BBC que chegou à RTP2 no passado dia 22 de abril. O Verão dos Segredos, como foi traduzida, pode ser vista, no referido canal, a partir das 22h10 (menos ao sábado e ao domingo), sendo que o último episódio sairá no dia 29 de abril. Também é possível ver/rever os episódios na RTP Play.

Esta semi-autobiografia, escrita e produzida por Stephen Poliakof, decorre no Reino Unido, e acompanha duas famílias, os Petrukin e os Shaw, durante o período da Guerra Fria, em que se vivia o receio da espionagem internacional e de um ataque nuclear.

Na família Petrukin temos Samuel Petrukin (Toby Stephens), um inventor judeu nascido na Rússia, que se mudou para Inglaterra quando tinha somente oito anos, e que é especialista no desenvolvimento de aparelhos auditivos. Este é casado com uma mulher de nome Miriam (Lucy Cohu) e pai de dois filhos, Hannah (Lily Sacofsky) e Sasha (Toby Woolf). Hannah é forçada a ter aulas de etiqueta uma vez que os pais querem que ela conheça a rainha e Sasha é mandado para um colégio interno, onde não só a sua origem como os aparelhos eletrónicos que este possui não agradam muito as pessoas deste colégio.

Na família Shaw temos Richard Shaw (Linus Roache), um membro do parlamento, e no entendimento de Samuel, um herói, sendo que este participou na guerra. Richard é casado com Kathleen (Keeley Hawes) e pelo que deu a entender o primeiro episódio, a relação deles não é um mar de rosas. Penso que isto pode estar em parte relacionado com o stress pós-traumático, algo expectável, uma vez que Richard participou na guerra.

Posto isto, relativamente ao primeiro episódio, achei que este foi um bocado lento, contudo tento sempre dar um desconto a isso, uma vez que é o primeiro episódio e como tal não estamos habituados nem às personagens, nem à história (e ao ritmo desta), já para não falar que é necessário dar contexto a esta. Para além disso, o facto de o episódio ter quase 60 minutos pode ter intensificado ainda mais essa sensação.

Fora isso, fiquei com a ideia de que a minissérie tem potencial, mesmo que este episódio não tenha transparecido tanto isso. Os momentos finais, referentes a Samuel e Hannah, deixaram-me intrigada a ponto de querer ver os restantes episódios e descobrir assim como é que a história se vai desenrolar. Além do mais, o período específico que a série aborda, no caso a Guerra Fria, foi o motivo que me levou a querer ver a série em primeiro lugar, pelo que também este me está a levar a querer ver os restantes episódios.

No entanto, percebo que esta série possa não chamar tanto a atenção e, portanto, não levar tanta gente a querer ver. Ainda assim, se gostam deste tipo de séries, e não se importam que o ritmo seja mais moroso, com um ou outro momento um pouco mais estranhos, aconselho a darem uma espreitadela pelo menos ao primeiro episódio, e depois quem sabe até ver os restantes.

Cármen Silva