Classificação

7.4
Interpretação
5.9
Argumento
6.2
Realização
6.4
Banda Sonora

American Housewife é um exemplo perfeito de uma série que tem o seu maior trunfo na protagonista. Katy Mixon brilha em cada cena em que aparece e se alguma vez a série se tornar num autêntico sucesso dever-se-á a ela, porque a nova aposta da ABC tem o mesmo problema de várias sitcoms. Falta de originalidade. Se prestaram atenção, a família Otto tem as suas semelhanças à família Dunphy de Modern Family. Não que isso seja mau, mas os Dunphy são brilhantes e não precisamos de outra de segunda categoria.

Ora, o episódio piloto da série centra-se em Katie a apresentar a família e na sua missão de substituir a segunda mulher mais gorda da cidade para não ser ela a ocupar o lugar. Isto seria rídiculo (e é), mas honestamente quando ela, o marido e a filha mais nova se intrometeram na venda da casa teve a sua piada. Foi talvez o ponto alto do episódio.

Mas falemos da família. Katie é casada com Greg e os dois têm três filhos. Taylor (que parece uma versão nova de Haley Dunphy), Oliver e Anna-Kat. Se a filha mais velha não deslumbrou muito (e também não teve muito tempo para nos mostrar do que realmente é capaz), os mais novos são duas pequenas pérolas. Oliver ambiciona ser rico e Anna-Kat tem o que me parece ser um distúrbio obsessivo-compulsivo. A dinâmica com a mãe é bastante engraçada e promete muitas gargalhadas e aqui sim, a série consegue ser diferente. Contudo, depois olhamos para a relação entre Katie e o marido e só conseguimos ver Phil e Claire.

De resto, gostei da maneira como satirizou a moda dos sumos verdes e do exercício e como Katie gosta e se orgulha de ser diferente. Os complexos pelo peso a mais estão lá e quase fizeram com que tivesse uma vizinha racista e homofóbica, mas Katie não cedeu. E assume que o seu principal objetivo é impedir que os filhos sejam como as pessoas de Westport. Bom, Katie, talvez seja divertido ver-te tentar ou até conseguir. Realmente precisamos de mais material para saber se American Houswife tem futuro no competitivo mercado televisivo americano. O piloto não me deslumbrou, mas também (ainda) não é uma aposta perdida. Será esperar para ver.

Maria Sofia Santos