Classificação

8.2
Interpretação
7.5
Argumento
8
Realização
7.6
Banda Sonora

Alguns países têm histórias de elfos, gigantes, vampiros, anões… Nos Estados Unidos, o mito parece mais virado para os tempos modernos e veste a pele do povo residente numa das encostas da montanha Appalachia, perto de Kentucky. Outsiders, a nova aposta da WGN America, vem-se juntar então às já conhecidas séries Salem e Manhattan. Criada e escrita pelo dramaturgo Peter Mattei e com produtores executivos que incluem Peter Tolan e Paul Giamatti, Outsiders é uma saga familiar tingida de fantasia, amor, laços de sangue, mitologia, violência e sangue que promete ser um bom entretenimento.

Grande parte do que impulsiona a narrativa inicial da série remete-nos para termos como insiders ou losties e outsiders. Quando Asa Farrell (Joe Anderson) retorna para a montanha após uma década no mundo exterior, não se sabendo no entanto o motivo, ele passa um tempo numa gaiola para pagar a sua penitência e provar o seu desejo de se tornar parte da família novamente, mas as coisas dificilmente são tão simples.

O poderoso e hostil Big Foster (David Morse), que tem a ambição de liderar o clã, vê em Asa uma ameaça e tenta a todo o custo expulsá-lo da montanha. A mãe de Foster, Lady Ray (Phyllis Somerville), atual patriarca e chefe dos Farrel e muito supersticiosa, sente que o retorno de Asa é um cumprimento da profecia, dizendo esta que quem vier de fora chefiará os Farrells. A completar o clã temos ainda Ryan Hurst como Lil Foster, um filho obediente do Big, mas às vezes duvidoso, e Kyle Wallner, Hasil, que encontrou um interesse fora da montanha em Sally Ann (Christina Jackson).

A colocar também um certo mistério na história temos o Xerife Wade (Thomas M. Wright), que além de saber muito mais sobre os Farrells do que diz, tem um medo de morte destes. Wade é considerado um líder local e mostra a sua hesitação para trabalhar sob o comando de uma corporação que pretende expulsar os Farrells para explorar o carvão existente na montanha. De realçar que neste pilot toda a sua postura e ações vão no sentido de encobrir e proteger do povo da cidade certos crimes dos Farrel.

Outsiders é muito mais silencioso, mais lento e mais meditativo do que se poderia esperar. As suas explosões de violência, caos e às vezes de folia (no estilo de antigas tradições das quais os Farrells não se desviaram) são bem-vindas. O desempenho e a mitologia à volta de Asa é de longe o mais atraente neste piloto e a série torna-se interessante durante as suas cenas com Big Foster. Ainda assim, Outsiders parece ter grandes ambições e uma história complexa para contar. Há grandes elementos presentes nela que são uma reminiscência de séries como Sons of Anarchy e Justified, embora também ocupe o seu próprio espaço.

Os Farrells lutam contra o mundo exterior, chamando àqueles que nele habitam losties. A batalha para removê-los da montanha não será vencida rapidamente ou facilmente, começando com o pé direito na sua estreia. No entanto, fica a ideia de que este piloto foi algo sem sabor, deixando os telespectadores indecisos sem saber o que esperar no futuro, qual o caminho que seguirá.

Fernando Augusto